Feira de Santana
+30...+30° C
Dólar:   R$ 3,477
Euro:   R$ 4,209
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

Economia

todas as notíciasseta


Nova jornada prejudica trabalhadores, dizem sindicatos

Essa preocupação deriva do fato de o empregado nessa condição receber proporcionalmente às horas trabalhadas no mês


16/07/2017 às 09:32h

Nova jornada prejudica trabalhadores, dizem sindicatos
Crédito: Reprodução

Sindicatos de trabalhadores do setor de comércio e serviços temem o uso do contrato de jornada intermitente, que julgam precarizar as condições do profissional, e buscam formas de regulá-lo.


Essa preocupação deriva do fato de o empregado nessa condição receber proporcionalmente às horas trabalhadas no mês. Embora o valor mínimo da hora não possa ser inferior ao equivalente da hora do salário mínimo, se o funcionário trabalhar por poucas horas no mês, vai receber menos do que o piso.

 

Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), central que congrega categorias do setor de comércio, defende o estabelecimento de um percentual máximo de 10% de trabalhadores no quadro de uma empresa em regime intermitente.

 

"A lei permite que funcionários ganhem R$ 200 por mês. É uma precarização muito grande", diz Patah. A UGT quer que o trabalhador tenha, nesses contratos, garantia de receber um salário mínimo mensal, independentemente das horas trabalhadas.Para Moacy Tesch, presidente da Contratuh (confederação de trabalhadores no setor de turismo e hotelaria), o contrato intermitente é "desculpa para flexibilizar" em restaurantes e shoppings.

 

"Essa história de que serve só para fim do ano e feriado é mentira. É muito melhor para o empregador ter alguém sempre à sua disposição sem ter que pagar salário", afirma Tesch. "Assim eles acabam com a qualidade da mão de obra de uma empresa."

 

O governo elabora uma medida provisória para alterar e regular algumas regras da reforma trabalhista. Em relação ao trabalho intermitente, deve ser criada uma quarentena de 18 meses para impedir que empresas demitam e recontratem um funcionário nesse regime. Essa salvaguarda, porém, valeria apenas pelos próximos três anos.

 

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) não vê espaço para negociação. "Vamos ao Supremo Tribunal Federal para barrar toda a reforma", afirma Heleno Torres, dirigente da CNTE (confederação de trabalhadores em educação). (Folhapress)

REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

TVGeral

Confira os melhores momentos da Micareta de Feira 2018
Publicidade
Bruno Best Travel
PMFS Micareta
Vilage Marcas e Patentes
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas