Feira de Santana
+30...+30° C
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

Saúde

todas as notíciasseta

95% dos médicos acreditam em vacina para Covid-19 até fim do ano

Estudo da Ipsos avaliou a percepção de profissionais de saúde brasileiros diante da pandemia e as perspectivas futuras para contenção do vírus


12/05/2020 às 12:17h

95% dos médicos acreditam em vacina para Covid-19 até fim do ano
Crédito: Reprodução

A pesquisa “Reflexão Médicos Covid-19: onda Brasil”, realizada pela Ipsos em parceria com a Fine Research, um instituto de pesquisa médica on-line, identificou como 530 médicos brasileiros de diferentes especialidades estão percebendo a pandemia do novo coronavírus no país. Segundo a opinião de 62% dos profissionais, o tratamento efetivo para Covid-19 pode demorar mais de seis meses até estar disponível.


O pessimismo é ainda maior quando falamos de vacinação. A imensa maioria, 95%, acha que tardará mais de um semestre até que o Brasil disponibilize uma vacina eficaz contra a doença. Além disso, três em cada 10 ouvidos (30%) creem que demorará mais de seis meses até haver um teste rápido e em grande escala para o coronavírus.


A pesquisa também listou as medidas mais eficazes, de acordo com os entrevistados, para conter a propagação da Covid-19. Com 87%, o cancelamento de eventos públicos ficou em primeiro lugar. A disseminação de campanhas de conscientização para higiene pessoal ganhou o segundo posto, com 85%. Já o desenvolvimento da capacidade de produzir testes em massa para a população foi citado por 83%, chegando à terceira posição.


O uso em massa de máscaras/materiais de proteção e o investimento em respiradores e recursos para terapia intensiva (UTI) foram as iniciativas que ficaram em quarto e quinto lugar, com 54% e 53%, respectivamente.


Curiosamente, medidas que têm sido utilizadas pelas gestões estaduais brasileiras foram citadas por menos da metade dos médicos participantes do estudo: o fechamento de escolas e empresas foi considerado uma ação eficaz por 49%; já a quarentena obrigatória, por 48%.


Apoio governamental


Oito em cada 10 profissionais (80%) afirmaram ter recebido guias de diagnóstico e informativos fornecidos pelos órgãos de saúde do governo. Dentre estes, 84% disseram que os protocolos disponibilizados eram claros ou muito claros, 11% opinaram que eram pouco ou nada claros e 5% não souberam responder.


Quando perguntados sobre a efetividade das iniciativas promovidas pelo governo para conter a propagação do coronavírus no país, 87% consideraram muito efetivas ou efetivas, contra 13% que opinaram como pouco ou nada efetivas. Além disso, para a grande maioria, 80%, as iniciativas são justas; 6% acham muito restritas e 14% pouco ou nada restritas.


Recursos e atendimento médico


Os médicos entrevistados também avaliaram os recursos do país para o tratamento dos infectados pelo coronavírus. Para os ouvidos, a disponibilidade de testes para Covid-19 é um recurso que se encontra em colapso e com estrutura inadequada. Já a disponibilidade de EPIs, a disponibilidade de respiradores e a disponibilidade de leitos na UTI foram identificados como recursos de possível colapso e estrutura pouco adequada – ou seja, provavelmente entrarão em colapso em alguns dias ou semanas.


A disponibilidade de médicos para diagnóstico, a disponibilidade de médicos para tratamento em casos de internação e a disponibilidade de medicamentos e insumos básicos para tratamento foram categorizados como recursos de possível colapso e estrutura adequada – são aqueles que devem entrar em colapso nos próximos 30 dias.


Considerando a média de todos os itens avaliados, 39% dos participantes da pesquisa acreditam que os recursos do Brasil possuem uma estrutura pouca adequada e podem ocasionar colapso em breve. Em segundo lugar, estão os 36% que consideram a estrutura adequada, mas ainda assim passível de colapso. Alto risco de colapso teve 15% e baixo risco de colapso teve 10%.


Para 65% dos entrevistados, a comunidade médica está muito envolvida com o objetivo de conter a pandemia de Covid-19. No entanto, os profissionais têm enfrentado uma série de desafios ao atender seus pacientes em hospitais: 64% citaram a falta de EPIs, 25% a falta de descanso, 21% a falta de protocolos claros e 17% citaram outros riscos.


A pesquisa on-line foi realizada entre 31 de março de 2020 e 03 de abril de 2020 com 530 médicos brasileiros que fazem atendimento direto a diferentes tipos de pacientes.

REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

TVGeral

Live Forró Balão Beijo
Publicidade
Vilage
MAIS SAÚDE BAHIA
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas