Feira de Santana
+30...+30° C
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

Política

todas as notíciasseta

Popularidade de Bolsonaro não sofre abalo entre baianos

O estudo mostra uma certa resiliência do apoio ao presidente, apesar do contínuo processo de deterioração da situação política de Bolsonaro


16/05/2020 às 06:16h

Popularidade de Bolsonaro não sofre abalo entre baianos
Crédito: Reprodução

A popularidade de Jair Bolsonaro não sofreu impacto entre os baianos nas últimas duas semanas, mesmo com o agravamento da pandemia do novo coronavírus e a escalada na crise política causada pelo inquérito que investiga as denúncias do ex-ministro Sérgio Moro sobre interferência do presidente na Polícia Federal.

 

Dados da pesquisa A TARDE/DataPoder360, realizada entre os dias 11 e 13 de maio, apontam que o percentual da população baiana que considera o governo ruim ou péssimo continua em 42%, o mesmo aferido na rodada anterior, feita entre 27 e 29 de abril. Ótimo e bom registrou oscilação positiva de dois pontos percentuais, saindo de 29% para 31%. Considerando o recorte Brasil, o resultado foi o mesmo. Ruim e péssimo variou de 40% para 39%; ótimo e bom, de 29% para 30%. Na Bahia, os que avaliam o mandato como regular saíram de 19% para 22%; não sabem ou não responderam, de 10% para 5%. No cenário nacional, regular oscilou de 26% para 27%; não sabem ou não responderam, de 5% para 4%.

 

O DataPoder360, divisão de estudos do jornal digital Poder360, realizou três levantamentos simultâneos, com patrocínio da Associação Comercial da Bahia (ACB).

 

Enquanto a avaliação negativa do presidente se manteve estável estadual e nacionalmente, ela registrou queda em Salvador. Na pesquisa passada, ruim e péssimo somavam 59%. Agora, o percentual caiu para 54%. Ótimo e bom cresceram de 20% para 24%. Já aqueles que consideravam o governo regular decresceram de 19% para 15%.

 

O estudo mostra uma certa resiliência do apoio ao presidente, apesar do contínuo processo de deterioração da situação política de Bolsonaro. A semana foi marcada pela entrega ao Supremo Tribunal Federal (STF) do vídeo de uma reunião ministerial ocorrida em 22 de abril, na qual o presidente teria falado em interferir na Polícia Federal para proteger sua família.

 

O novo levantamento mostra que o presidente continua com cotação em baixa entre a parcela mais rica do eleitorado baiano, que majoritariamente apoiou a eleição dele em 2018. No estrato da população com mais de 10 salários mínimos, 50% consideram o governo ruim ou péssimo. Entre os que recebem de 5 a 10 salários, esse percentual alcança 67%.

 

O desempenho dele também é o pior no grupo daqueles com ensino superior: 66% acham a gestão ruim ou péssima. Bolsonaro é melhor avaliado entre homens (35% de ótimo e bom), desempregados ou sem renda fixa (34% de ótimo e bom) e pessoas sem escolaridade (46%).

 

Moro

 

O levantamento também mediu o que a população baiana acha das denúncias feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro de que Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal. Em relação à última pesquisa, cresceu o número de pessoas que acham que este não é motivo para impeachment do presidente; a corrente se tornou maioria.

 

O grupo daqueles que acreditam que a interferência não deve motivar o afastamento subiu de 38% para 46%.

 

Quem achava que o presidente deveria sofrer impeachment teve oscilação negativa de 38% para 36%.

 

Para o professor e cientista político Cláudio André Souza, a estabilidade de Bolsonaro tem relação com o fato de que o desenrolar da crise Moro x Bolsonaro não se mostrou grave o bastante para alterar a avaliação do presidente. “A manutenção mostra que as investigações por interferência política na Polícia Federal não impactaram a percepção dos entrevistados pela pesquisa”, avalia.

 

O professor ainda apontou para uma certa resiliência e organização da base bolsonarista, ao comentar a avaliação da população sobre as denúncias de Moro. “A base de apoio de Bolsonaro aponta para uma fidelidade mesmo diante dos fatos, o que envolve a disputa de narrativas do governo com comunicação segmentada para este público, como contraponto à imprensa”, diz.

 

Há divergências sobre militares

 

A população baiana e brasileira está dividida sobre a participação de militares no governo e a realização de atos contra a democracia.

 

Para 35% dos baianos ouvidos pela pesquisa A TARDE/DataPoder360, manifestações que pedem o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF) devem ser proibidas, enquanto 29% acham que não. O percentual de quem não soube responder é o maior: 36%.


Já os soteropolitanos mostram reprovação maior a protestos com este teor: 39% acham que eles devem ser proibidos, 24% acreditam que não e 37% não sabem.

 

Quando questionados sobre a participação de militares na administração, 35% dos baianos responderam que ela é boa para o Brasil, 34% acham que é ruim, enquanto 9% acreditam que isso não afeta o país.

 

No Brasil, há empate entre aqueles que veem este fator como positivo e os que avaliam como negativo: o percentual é de 37%, cada.


Regiões

 

De acordo com a pesquisa, habitantes da região Norte, pessoas com renda entre 5 e 10 salários mínimos e que avaliam o governo mais positivamente são mais favoráveis aos militares. Já os mais jovens (16-24 anos) e pessoas que não frequentaram a escola tendem a ser mais resistentes a isso.

 

Protestos

 

A proibição de atos contra as instituições democráticas tem mais apoio entre baianos com ensino superior (62%) e renda entre 5 e 10 salários mínimos (67%). Do lado oposto, figuram pessoas sem escolaridade (53%) e gente com renda acima de dez salários (42%).

 

Apesar da perda de apoio de Bolsonaro nos estratos mais ricos da sociedade, a presença de militares no governo tem alto apoio neste grupo. São 46% das pessoas com renda acima de 10 salários mínimos que acreditam que ela é benéfica ao país. O grupo que mais chancela esta participação é o dos que ganham entre 2 e 5 salários mínimos: 55%. Quem mais rechaça esta presença são pessoas com ensino superior (47%), entre 5 e 10 salários mínimos (43%), idosos (42%) e mulheres (39%).

FONTE: A Tarde Online
REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

Gov Bahia vale

TVGeral

Live Forró Balão Beijo
Publicidade
Vilage
Gov Bahia vale
MAIS SAÚDE BAHIA
Gov Bahia vale
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas