Delator diz que 'bicheiro' está envolvido em morte de Marielle Franco

BrasilCaso Marielle

Delator diz que 'bicheiro' está envolvido em morte de Marielle Franco

Novo suspeito é Bernardo Bello, que já é investigado como um dos líderes do jogo do bicho

Crédito: Reprodução de vídeo

Um dos depoimentos do ex-PM Élcio de Queiroz em seu acordo de delação premiada aponta o possível envolvimento de um novo personagem no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

O novo suspeito é Bernardo Bello, que já é investigado como um dos líderes do jogo do bicho no Rio.

Segundo Élcio, o grupo liderado por Bello teria fornecido tanto o celular utilizado por Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos contra Marielle e Anderson, quanto o veículo Chevrolet Cobalt prata conduzido pelo próprio ex-PM no dia do crime.

Élcio assinou um acordo de colaboração após a Polícia Federal reforçar as provas de sua participação no crime, como motorista de Lessa –os dois estão presos desde 2019. O crime aconteceu em 14 de março de 2018.

Parte das revelações do ex-PM embasaram a operação Élpis, que prendeu o ex-bombeiro Maxwell Côrrea, apontado como responsável por campanas de monitoramento da vereadora e por atuar após o assassinato na tentativa de destruição de provas.

Segundo a delação, Bello e o chefe de sua segurança, José Carlos Roque Barboza, são suspeitos de terem participado do crime. O primeiro teria dado o celular a Lessa, enquanto o segundo, forneceu o carro.

O Ministério Público e a Polícia Federal ainda investigam as informações fornecidas pelo delator. Neste sábado (29), o Disque Denúncia do Rio divulgou um cartaz pedindo mais informações sobre seu paradeiro –ele está foragido e é suspeito de ser o mandante do assassinato de outras pessoas no Rio. A reportagem não conseguiu contato com seu advogado.

A reportagem apurou que Élcio afirmou na colaboração que, após a morte da vereadora, o celular foi destruído por Lessa e o carro, desmanchado com ajuda do próprio ex-PM e de Maxwell.

O delator diz ainda que, depois do assassinato, Lessa não voltou a receber mais nenhum aparelho nem veículo do grupo de Bello.

Élcio havia revelado no outro depoimento o uso por Lessa de um celular "diferenciado". Ele diz ter visto o aparelho uma vez antes do crime e no dia, quando o atirador usou para acessar o mapa durante a perseguição ao carro da vereadora.

"Vou falar posteriormente, encontros casuais, apareceu também celular, que eu achei estranho aquele celular aparecer pra ele. Ele [Lessa] costumava andar com celular de última geração, era um celular feio, mas era um smartphone. E o Ronnie não fala em telefone, só digita. Aí eu perguntei e ele falou que era de uma pessoa que tinha fornecido para ele", disse Élcio, segundo trecho da delação.

No novo depoimento, o ex-PM diz que o celular foi repassado ao atirador por Bello. O aparelho teria sido entregue após a primeira tentativa de cometer o crime, no final de 2017, e tinha como objetivo o manter o contato entre os dois.

Os contatos entre Lessa e Bello eram mediados por Roque e por um outro ex-PM, Edimilson Oliveira da Silva, conhecido como Macalé.

Segundo o delator, a dupla costumava buscar Lessa no Quebra-Mar, na Barra da Tijuca, para levá-lo à casa do bicheiro, no mesmo bairro. Para isso, usavam um Corolla branco.

Élcio conta na delação que viu o amigo ser buscado pelos dois pelo menos quatro vezes nos meses que antecederam a primeira tentativa de assassinato da vereadora, que aconteceu no fim de 2017. Com a ofensiva frustrada, Bello teria dado o celular a Lessa para que tivessem uma comunicação mais direta, segundo apontam as investigações.

Lessa, Élcio e outros envolvidos tinham costume de frequentar a região conhecida como Quebra-Mar, na Barra da Tijuca.

Macalé, assassinado em 2020, é apontado em outras investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro como integrante do grupo de Bello.

Já era sabido que Élcio apontou Macalé como quem trouxe o "trabalho", no caso o assassinato, para Lessa. Ele também teria participado, como motorista, da primeira tentativa de matar Marielle, ainda em 2017.

Segundo o ex-PM, Lessa culpou Macalé por não ter conseguido assassinar a vereadora nessa primeira tentativa. Por isso, decidiu chamar o Élcio na segunda ofensiva.

Macalé é apontado como integrante do braço armado do grupo de Bello em investigações sobre a morte de rivais da contravenção e em atentados envolvendo a disputa interna que mantêm com os herdeiros do bicheiro Waldemir Paes Garcia, o Maninho.

Ex-genro de Maninho, Bello teria rompido com a família Garcia e é suspeito de ser o mandante da morte do irmão do bicheiro, Alcebíades Paes Garcia, o Bid –morto em 2020. Ele também é suspeito de tentar matar Shanna Harrouche Garcia, sua ex-cunhada.

Bello chegou a ser preso na Colômbia, em janeiro de 2022 no processo em que é apontado como o mandante do assassinato de Bid. Ele foi solto após uma decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) em junho do ano passado.

Na quinta-feira (27), Bello foi alvo de um novo mandado de prisão sob suspeita de ter mandado matar um advogado em Niterói, em maio de 2022. Segundo o Ministério Público, Carlos Daniel Dias André se tornou alvo do bicheiro após um conflito mediado pelo advogado. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 22 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/