Governo federal identifica plano para libertar Marcola e muda protocolo

BrasilLíder do PCC

Governo federal identifica plano para libertar Marcola e muda protocolo

A transferência estará autorizada após um relatório de análise de risco 

Crédito: Reprodução

A Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen), órgão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, implementou um protocolo para autorização de qualquer movimentação de transferência de presos de alta periculosidade do sistema federal.

Ela foi editada após a descoberta de um possível plano na tentativa de libertar Marcola, identificado como o líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que está na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Brasília.

Segundo portaria assinada pelo secretário Rafael Velasco Brandani, no início do mês de novembro, a transferência estará autorizada após um relatório de análise de risco elaborado pela Inteligência do Sistema Penitenciário Federal em documento sigiloso.

Além disso, seria necessária a autorização de saída assinada por um colegiado de no mínimo três autoridades da pasta designadas de forma aleatória, periódica e individualizada e serão identificadas por códigos, como forma de preservar a identidade.

"São considerados presos de altíssima periculosidade aqueles com alta probabilidade de evasão mediante resgate ou com indícios de envolvimento em atos preparatórios de ações hostis contra servidores públicos, altas autoridades e a segurança da população", diz o documento.

Segundo membros da pasta, a inteligência do sistema prisional alertou sobre um possível plano para sequestrar e matar policiais penais, que serviriam na negociação para a libertação do preso. A informação foi publicada inicialmente pelo Metrópoles.

Entretanto, a decisão de transferir o detento ainda não estava tomada após esse alerta por outros critérios serem considerados na decisão. Por conta do vazamento da informação, não existe a possibilidade de nenhuma movimentação nos próximos dias.

A leitura é de que o presídio federal de Brasília é o mais seguro do país e não haveria necessidade dessa mudança. A portaria faz com que as regras fiquem mais rigorosas para a saída do preso e nenhuma autorização seja precipitada.

Marcola foi transferido de presídio em Rondônia, onde estava desde março do ano passado, para o presídio de Brasília após o ministro da Justiça, Flávio Dino, apontar um possível plano de fuga.

Em setembro, a mulher de Marcola acusou a penitenciária de maus-tratos e de fornecer comida estragada aos presos, o que, segundo ela, configura "método de tortura".

Em carta enviada por meio de seu advogado, Cynthia Giglioli Herbas Camacho afirma que o marido emagreceu 20 quilos desde que chegou a Brasília, em janeiro, e está "sempre muito pálido, com as mãos bem trêmulas, que só vão passando após 1 hora de visita". 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 26 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/