Justiça manda quebrar sigilo bancário de delegada suspeita de favorecer Thiago Brennand

BrasilSaiba mais

Justiça manda quebrar sigilo bancário de delegada suspeita de favorecer Thiago Brennand

As apurações tramitam sob sigilo 

Crédito: Reprodução

A delegada Nuris Pegoretti teve a quebra de sigilo bancário e fiscal decretada pela Justiça de São Paulo, nesta quinta-feira (3). Ela é investigada por suspeita de corrupção passiva no caso que envolve o empresário Thiago Brennand, 43, que está preso preventivamente após ter sido extraditado dos Emirados Árabes.

Por meio de nota, a Secretaria da Segurança Pública informa que a delegada responde a procedimento administrativo e processo em andamento na Corregedoria. As apurações tramitam sob sigilo.

A reportagem tentou contato com delegada, que respondeu por meio de mensagem apenas que o caso está em segredo de Justiça. Além da quebra de sigilo de Pegoretti, a Justiça também determinou quebra de sigilo telefônico e telemático de Brennand.

Ela foi denunciada sob acusação de ter recebido R$ 250 mil para influenciar a condução da apuração e também para induzir o Ministério Público a arquivar o processo. A delegada investigou Brenannd pelos supostos crimes de sequestro e cárcere privado em Porto Feliz, no interior de São Paulo. Ele nega as acusações.

No relatório final de investigação, Pegoretti apontou denunciação caluniosa motivada por interesses financeiros. "Verificou-se que [Brennand] é indivíduo de porte agigantado, profissional em artes marciais, faixa preta de jiu-jítsu há mais de duas décadas, faixa preta em outras artes marciais, e não se encontrou qualquer registro de violência relevante em sua vida", diz o documento.

Esse processo contra Brennand chegou a ser arquivado a pedido do Ministério Público de Porto Feliz, mas foi reaberto após reportagem do Fantástico (TV Globo) revelar um histórico de problemas envolvendo o empresário, como novas suspeitas de agressões e estupros.

A suposta vítima do caso, que também se identifica como empresária e morava nos Estados Unidos, contou que chegou ao Brasil no dia 28 de agosto de 2021 para ficar com Brennand. Eles se conheciam havia anos, se reencontraram pelas redes sociais e resolveram passar uns dias juntos. Em dado momento ele teria tomado o aparelho celular dela à força, impedindo que ela mantivesse contato com pessoas fora da casa, segundo a acusação.

No processo administrativo aberto pela Corregedoria, ao qual a reportagem teve acesso, é relatado que o inquérito é inusitado, se comparado aos demais relatórios produzidos pela autoridade policial, "tanto pelo número de laudas como pela forma de elaboração, bem como por conter incisiva defesa do investigado".

SUSPEITO DECLAROU À POLÍCIA TER ÓDIO DE ESTUPRADORES

Em depoimento sobre o caso na época, Brennand confirmou que teve relações sexuais com a mulher, mas disse que foi só com consentimento dela. Na ocasião, ele negou as acusações, afirmou que jamais aceitaria relações sexuais não consentidas e disse que nutre ódio por estupradores.

Ele também afirmou que a suposta vítima teria "sede de fama" e foi vista em diversos locais sem ter pedido socorro ou manifestado comportamento estranho.

Procurada pela reportagem em setembro, a defesa de Brennand declarou que "não há prova nova" para desarquivamento do caso de Poto Feliz e que a versão da vítima é "absolutamente inverossímil, tanto que a juíza então oficiante no caso determinou que fosse instaurado inquérito policial para apuração da eventual prática do crime de denunciação caluniosa". 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 14 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/