Menina de 2 anos morre após agressões; mãe e padrasto são presos

BrasilAgressão

Menina de 2 anos morre após agressões; mãe e padrasto são presos

Agressões da mãe e do padrasto resultaram na morte da menina. 

Crédito: Carla Salentim/TV Morena

A morte de Sophia de Jesus Ocampo, 2, que aconteceu na última semana em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, resultou na prisão preventiva da mãe e do padrasto da menina por homicídio qualificado por motivo fútil e estupro de vulnerável.

Sophia deu entrada já sem vida na unidade de pronto-atendimento Coronel Antonino, no centro da capital, em 26 de janeiro.

Estava acompanhada da mãe, a estudante Stephanie de Jesus da Silva, 24, que na época morava com o companheiro Christian Campoçano Leitheim, 25, padrasto da criança.

Ao constatarem hematomas e escoriações no corpo da criança, os profissionais de saúde acionaram a polícia. A principal suspeita é que lesões causadas por agressões da mãe e do padrasto resultaram na morte da menina.

Responsável pela defesa de Stephanie e de Chistian, a Defensoria Pública foi procurada neste sábado (4), por meio de sua assessoria de comunicação, mas não houve resposta aos questionamentos da reportagem.

O laudo da causa morte da criança, divulgado pela Polícia Civil, aponta que ela sofreu um traumatismo na coluna e foi vítima de violência sexual não recente.

Sophia se dividia entre as casas do pai e da mãe. Separados desde 2021, eles tinham regime de guarda compartilhada.

O pai, Jean Carlos Ocampo, que vive um casamento homoafetivo com um novo companheiro, Igor de Andrade, teve as primeiras suspeitas de maus-tratos à criança na virada entre os anos de 2021 e 2022, quando encontrou lesões no corpo da filha.

Depois de passar a virada do ano na casa da mãe e do padrasto, Sophia voltou para a casa do pai com hematomas na perna, escoriações no braço e um ferimento na orelha.

Na época, ele fotografou as marcas no corpo da menina e foi ao Conselho Tutelar, onde foi aconselhado a procurar a polícia. Depois, seguiu para a Delegacia Especializada de Proteção à Criança, onde registrou um boletim de ocorrência.

Na época, não foi realizado o exame de corpo delito na criança porque o IML (Instituto Médico-Legal) estava fechado. O caso chegou a ser investigado, mas a primeira denúncia foi arquivada pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul.

Meses depois, em setembro, Sophia estava na casa da mãe quando deu entrada em uma UPA com um quadro de infecção intestinal e precisou ficar internada. Durante a internação, constatou-se uma fratura na perna dela.

Na ocasião, a mãe afirmou que a fratura resultara de uma queda da menina no banheiro. O pai, contudo, mais uma vez suspeitou de possíveis maus-tratos e acionou novamente o Conselho Tutelar e a Polícia Civil.

Registros de atendimentos da UPA apontam que a criança passou por consultas e procedimentos ao menos 12 vezes desde outubro, incluindo atendimentos da equipe ortopédica, até dar entrada pela última vez.

O prontuário médico apontou que a criança deu entrada no hospital em 26 de janeiro já sem os sinais vitais. Apresentava lesões nos braços, nas costas, joelho e olho, além de inchaço no ombro esquerdo e na barriga.

Também foi anotado que a vagina e o ânus da criança estavam excessivamente dilatados, destoando do padrão de normalidade, o que despertou a suspeita de que teria sido estuprada.

A equipe médica ainda constatou que a criança estava morta havia ao menos quatro horas, pois apresentava rigidez cadavérica.

Questionada pela equipe médica, a mãe negou que tivesse agredido a filha, mas disse que Sophia estava sob cuidado do padrasto. E admitiu que Christian "batia em Sophia com tapas e socos para corrigi-la".

No dia seguinte, o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida decretou a prisão da mãe e do padrasto de Sophia por suspeita de homicídio qualificado por motivo fútil e estupro de vulnerável.

Na avaliação da advogada Janice Andrade, que atua em favor do pai da criança, houve omissão sistêmica dos órgãos que deveriam servir como uma rede de proteção à criança: "A omissão de Estado incentivou a mãe e o padrasto a aumentarem cada vez mais o grau de violência".

A advogada disse esperar que a mãe e o padrasto sejam punidos com "todas as qualificadoras" pelos crimes de estupro, tortura e assassinato.

Em depoimento à Polícia Civil, Stephanie afirmou que Sophia estava vomitando desde o dia anterior, tinha a barriga inchada e que ainda estava viva quando decidiu levá-la ao médico, em 26 de janeiro.

Ela acrescentou que Chistian agrediu a filha algumas vezes, sendo a última vez dois dias antes. Mas disse que ficou com medo de denunciá-lo porque ele havia ameaçado tirar a guarda da sua outra filha, fruto do relacionamento entre os dois. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 29 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/