Carmén Lúcia dá 48 horas para juiz explicar arquivamento de ação contra Mauro Cid

BrasilMinistra do STF

Carmén Lúcia dá 48 horas para juiz explicar arquivamento de ação contra Mauro Cid

Juiz não viu crime na conduta do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro 

Crédito: Nelson Jr./SCO/STF

De acordo com uma reportagem do Metrópoles, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia deu um prazo de 48 horas para o juiz federal Antonio Claudio Macedo da Silva prestar "informações pormenorizadas" sobre arquivamento de um pedido de investigação contra o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Messias Bolsonaro (PL). 

Em 28 de julho, o titular da 10ª Vara Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal arquivou uma representação de membros da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro que alegaram que, em depoimento em 11 de julho, Cid teria abusado do direito ao silêncio.

Ainda segundo o Metrópoles, Cármen Lúcia tinha concedido ao tenente-coronel um habeas corpus para que ele não fosse obrigado a responder perguntas que o incriminassem. Representantes da CPMI, porém, dizem que o habeas corpus não isentava Mauro Cid de responder perguntas que não o comprometessem. O ex-ajudante de ordens de Bolsonaro ficou calado no depoimento. Ao negar liminar (decisão provisória) suspendendo a decisão judicial, Cármen Lúcia pediu "exame mais detido" no julgamento da reclamação da comissão. Ela indicou que ainda não há clareza sobre o descumprimento do habeas corpus pela decisão do juiz Antonio Claudio Macedo da Silva. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 22 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/