PF faz operação contra suspeito do caso Marielle Franco

BrasilPolícia Federal

PF faz operação contra suspeito do caso Marielle Franco

A ação mira a suspeita de um esquema de exploração de ligações ilegais de internet e TV a cabo

Crédito: Divulgação

A Polícia Federal iniciou uma nova operação, nesta sexta-feira (4), no âmbito da investigação sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A ação mira agora a suspeita de um esquema de exploração de ligações ilegais de internet e TV a cabo, o chamado gatonet.

Um dos alvos da operação é o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, preso na semana passada por suspeita de envolvimento na morte de Marielle e Anderson. Suel, como é conhecido, também é suspeito de ter um esquema de gatonet junto com o policial reformado Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos que mataram a vereadora.

A PF cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do ex-bombeiro nesta manhã. A mulher de Suel, Aline Siqueira, também foi alvo da operação nesta segunda-feira. Ela irá prestar depoimento na sede da Polícia Federal.

Procurada pela reportagem na manhã desta sexta, a defesa do casal não havia se manifestado até a publicação deste texto.

Marielle e Anderson foram mortos a tiros na noite de 14 de março de 2018, quando o carro em que estavam foi alvejado enquanto passava pelo Estácio, no centro do Rio. Um ano depois das mortes, Ronnie foi preso acusado de ter atirado contra a vereadora e o motorista. Junto com ele, também foi preso o ex-PM Élcio de Queiroz, suspeito de dirigir o carro usado no crime.

Cinco anos depois, a Polícia Federal instaurou um novo inquérito para apurar o caso, junto com o Ministério Público do Rio. Os desdobramentos da investigação se baseiam no acordo de colaboração firmado por Élcio em junho deste ano.

Na delação, Élcio afirmou que Suel participou das campanas para monitorar Marielle desde, pelo menos, o segundo semestre de 2017. O ex-bombeiro, segundo o delator, também teria ajudado a desmanchar o carro usado no crime.

Suel já cumpria prisão domiciliar após ter sido condenado por tentar atrapalhar as investigações do caso.

Segundo a PF, o ex-bombeiro e Ronnie teriam um esquema de gatonet na comunidade Jorge Turco, em Rocha Miranda, na zona norte do Rio. A prática, típica da milícia, se resume em explorar receptações ilegais de sinais de TV e de internet, que são distribuídas a moradores de um bairro ou região mediante pagamento de taxas extras. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 15 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/