Previdência Social debate com Associação Brasileira de Bancos evolução dos consignados

EconomiaSeguridade Social

Previdência Social debate com Associação Brasileira de Bancos evolução dos consignados

Desde 2023, linha de crédito para segurados do INSS apresenta redução da taxa de juros

Crédito: Divulgação

A evolução dos consignados para segurados do INSS foi tema da reunião entre o ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, participou de reunião com representantes da Associação Brasileira de Bancos (ABBC) nesta terça-feira (27), em Brasília (DF). Desde 2023, a linha de crédito apresenta redução da taxa de juros.

O processo de discussão e aprovação, que é centralizado no Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS), foi abordado entre os presentes, com ênfase na metodologia de cálculo do índice. Atualmente, a operação com desconto em folha conta com teto de 1,76%, enquanto as operações na modalidade de cartão de crédito e cartão consignado de benefício alcançam, no máximo, 2,61%.

O limite para o empréstimo com desconto em folha caiu de 1,80% para 1,76%. Já para as operações na modalidade de cartão de crédito e cartão consignado de benefício, o índice máximo caiu de 2,67% para 2,61%. Em um ano, as taxas acumulam queda de 17,7%. Os novos valores começam a valer em oito dias úteis.

Para o ministro Lupi, o potencial social das reduções está diretamente interligado ao progresso do ambiente econômico do país nos últimos meses. O corte da taxa Selic, pelo Banco Central, é ratificado, segundo ele, como balizador para a aprovação das propostas no colegiado.

"O Brasil está com um cenário de progresso consolidado nas áreas social e econômica. Esse viés positivo gera um ambiente de crescimento que é refletido no mercado financeiro, com ênfase nas taxas de juros", avaliou.

"O consignado permite o acesso a um crédito diferenciado para mais de 40 milhões de segurados. A redução dos índices mostra que existe margem para equilibrar os interesses das empresas e dos clientes, como aposentados e pensionistas, que integram a parte mais frágil e vulnerável", completou.

Sobre a metodologia, Lupi ratificou a abertura para encontrar um modelo que tenha consenso.

"A metodologia é algo que debatemos com profundidade com todos os participantes, não só nas reuniões do Conselho, mas também no grupo de trabalho, que é mais ampliado e recebe contribuições de representantes como do Banco Central", encerrou.

Veja também:

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 19 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/