Defensoria alerta para situação vivida por venezuelanos em Feira de Santana

GeralIndígenas

Defensoria alerta para situação vivida por venezuelanos em Feira de Santana

Na última avaliação, 12 venezuelanos ainda precisavam de atenção especial. 

Foto: Divulgação/ Defensoria Pública

 A Defensoria Pública da Bahia alerta para a situação vivida pelos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que residem em Feira de Santana. Dados da última avaliação técnica feita pelo Comitê Interinstitucional da Defensoria Pública com a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), em março, e da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai), em maio, indicam que nas visitas foram verificadas 12 pessoas em situação de desnutridas na forma grave – oito crianças, dois adultos e dois idosos -, bem como indígenas com tuberculose latente (quando o indivíduo é infectado pelo bacilo causador, porém não manifesta a doença), indica o relatório coordenado pelo defensor público Maurício Moitinho.

Junto ao poder público, a Defensoria conseguiu que fossem marcados exames de Raio-X de pulmão para todos os indígenas, porém até agora não há informações sobre o transporte que levará o grupo à clínica específica. Os testes estão marcados para o dia 28 de maio. "Precisamos urgentemente saber o quanto a saúde dessas pessoas está comprometida", pontuou o defensor público Maurício Moitinho.

Segundo o defensor, as instalações onde eles vivem são inadequadas e agravam os riscos de contaminação e adoecimento. "A habitação é inadequada. Não há ventilação suficiente, só há uma porta e uma janela pequena, o ar não circula. Também não há água potável suficiente", alertou.

Explicou ainda que há um a falha no atendimento a essa comunidade. "Desde que começamos a monitorar essa situação, são várias solicitações não atendidas. Em dezembro de 2023, uma criança veio a óbito. Desnutrição e tuberculose costuma ser uma combinação fatal. Então, é um quadro bem grave", sinaliza Moitinho.

Após a morte da criança, foi formada uma operação conjunta entre a Defensoria e a Sesab, com realização de visitas de inspeção. A secretaria enviou técnicos especializados em tuberculose, que atestaram irregularidade na alimentação e necessidade de melhora de fornecimento do serviço de atenção básica de saúde ao grupo. Antes, em setembro, a Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) tinha realizado inspeção no local e verificado outras omissões, inclusive falta de pagamento de aluguel.

Nesta quinta-feira (23), a Defensoria Pública acompanhou a Funai até a comunidade do Warao para ouvir a população e produzir um relatório sobre a atual situação. O documento será encaminhado à Defensoria Pública, Ministério Público Federal e a Sesab. A Funai também deve integrar o Comitê Interinstitucional.

Em abril de 2024 defensores públicos se reuniram com o prefeito e secretários e ouviram as ações promovidas pela municipalidade para o atendimento àquela comunidade.

Doações

Diante da situação de extrema vulnerabilidade vivida pela comunidade indígena Warao, muitas instituições tem se unido para arrecadar alimentos, fraldas e materiais para suprir as necessidades básicas emergenciais do grupo, como a Defensoria, o TJBA, a Sesai, a Sesab.
 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 14 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/