Preço da gasolina continua alto e compromete renda de trabalhadores feirenses

GeralFeira de Santana

Preço da gasolina continua alto e compromete renda de trabalhadores feirenses

Ao longo deste ano a gasolina teve aumento de 51% 

Crédito: Mario Sepúlveda/FE

O aumento severo no preço dos combustíveis tem dificultado a vida de motoristas em todo o País, e em Feira de Santana, a situação não é diferente. Só ao longo deste ano a gasolina teve aumento de 51% e a probabilidade é que os valores dos combustíveis cresçam ainda mais. Na sexta-feira (15), o preço caiu na cidade, mas, ainda é “calcanhar de aquiles” para a maioria dos feirenses. 

Na última quinta-feira (14), as bombas de combustível na cidade registravam R$ 6,59, já ontem (15), tiveram uma queda de R$ 0,64, e em alguns postos, a gasolina está em R$ 5,65 o litro. Acontece que mesmo com esta recente queda, o valor impacta diretamente no bolso dos feirenses, já que no fim de dezembro de 2020 o valor médio era de R$ 4,71.

“Está sendo impossível dirigir, ter um carro aqui em feira, com preço de quase R$ 7,00 por litro, ninguém aguenta o descaso desse governo que todos os dias sobe a gasolina, tá difícil viver, inviável trabalhar com transportes”, contou Ednailson à reportagem do Jornal Folha do Estado, e completou ainda, que esse aumento é um fator que contribui para outros aumentos. “Quando sobe o combustível, tudo sobe, alimentos, remédios, gás de cozinha. Não é só quem tem carro que sofre, é a população”. 

E o que Ednailson falou, faz sentido, segundo o economista Fernando Amorim, técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a alta no preço de itens essenciais no nosso dia a dia foi provocada por uma combinação de fatores, sendo os principais o aumento da gasolina.

“Apesar de não estar relacionado diretamente ao transporte de produtos da cadeia de agronegócio, como é o caso do diesel, os aumentos da gasolina também podem ter uma relação com uma alta dos preços dos alimentos. Isso porque o preço do combustível sobe quando ocorre uma valorização no mercado internacional do petróleo, matéria-prima utilizada para a produção de ureia, uma das substâncias mais usadas em fertilizantes agrícolas. Além disso, há os movimentos do mercado financeiro, pois as commodities agrícolas e petróleo são ativos comercializados em bolsa e estão sujeitos a atitudes especulativas do mercado. Cenários de alta dos preços do petróleo são associados à inflação em nível mundial, o que tende a induzir a demanda de ativos ligados às commodities agrícolas, e por consequência, inflar seus preços”.

Mesmo aqueles que não usam gasolina no carro, sofrem com o aumento da gasolina, já que o preço da gasolina influencia também no GNV e etanol. Manasses Gomes Ferreira é motorista de transporte por aplicativos na cidade e de acordo com ele, o lucro tem sido mínimo, o que se deve a alta no preço da gasolina. “Esses aumentos vêm atrapalhando e muito nossas vidas. Há 20 anos eu rodo com um carro à álcool e há poucos meses o nosso álcool estava na faixa de R$ 2,60, agora está R$ 5,55. Antigamente com 150,00 reais você abastecia o carro, hoje se abastece cerca de 300,00 reais”, explicou.

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 18 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/