Profissionais do SAMU ameaçam parar atividades um dia antes da Micareta de Feira

GeralFeira de Santana

Profissionais do SAMU ameaçam parar atividades um dia antes da Micareta de Feira

Carta 'O Samu Pede Socorro' foi divulgada

Crédito: Divulgação

Na terça-feira (2), os sindicatos: Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado da Bahia (Sindsaúde) e Sindicato de Enfermagem de Feira de Santana (SEEB), que abrangem os motoristas, condutores de veículos urbanos e em geral, trabalhadores que prestam serviço ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), respectivamente, publicaram uma carta aberta à população feirense destacando as dificuldades enfrentadas para a manutenção do Samu e denunciando as más condições de trabalho.

Na declaração intitulada 'O Samu Pede Socorro', é relatado falta de diálogo com a coordenação da instituição e com a gestão municipal. O documento que não foi assinado, preconiza que os servidores decidiram paralisar atividades um dia antes do primeiro dia da Micareta 2024, dia 17/04.

Segue a íntegra da carta:

"A nossa luta nunca foi algo pessoal, voltada contra essa ou aquela pessoa da gestão municipal, mas cansamos de nos submeter às arbitrariedades que marcam o dia a dia do Serviço. Ao longo desses cerca de 20 anos, muitas situações se arrastaram até provocar um adoecimento físico e psicoemocional de inúmeros profissionais do SAMU. Isso já foi demonstrado por vários momentos críticos, como um Acidente Vascular Cerebral-AVC dentro do local de trabalho (na saída do plantão) ou mesmo tentativa de suicídio. Ainda assim, mesmo em condições insalubres e indignas de trabalho, a nossa regra sempre foi nunca se negar a prestar atendimento de forma comprometida e responsável a toda a população.

Porém, como salvar vidas com profissionais insatisfeitos e exaustos? Com ambulâncias sucateadas? Sem materiais básicos? Dentre outros problemas, até mesmo sem sequer um sistema informatizado para receber as ocorrências? Frente à falta de diálogo com a gestão sobre as condições precárias de funcionamento do Serviço, chegamos ao nosso limite! Por isso, realizamos uma reunião de mobilização no pátio da sede do Serviço no dia 18 de março. Diante disso, infelizmente, vimos tentativas irresponsáveis de desqualificar nossa movimentação através de informações falsas. Ao invés de reconhecer os graves problemas enfrentados pelo SAMU, a gestão municipal inicialmente apelou para o discurso que seriam "questões políticas". Pelo contrário, para cada situação denunciada temos várias provas dos fatos.

Durante a nossa presença na Câmara Municipal, no dia 21 de março, expomos reivindicações e solicitamos diálogo com a gestão do município, o que contou com apoio unanime tanto de vereadores governistas quanto de oposição. Na mesma ocasião, divulgamos uma possível paralisação prevista para o dia 28 de março, se não houvesse avanço nesse diálogo.

Na manhã do dia 27 de março, houve uma tentativa de reunião Mediada pelo Sindsaúde, mas frustrada pela recusa da coordenação geral do SAMU em receber a comissão eleita de representantes de todas as categorias do Serviço. Na Câmara Municipal, tal situação provocou novas denúncias e questionamentos. Só então, na tarde desse mesmo dia, primeiro momento oficial de diálogo com a gestão municipal ocorreu com a presença do líder da bancada do governo no Poder Legislativo e a coordenação geral do Serviço.

Por nosso compromisso profissional e ético com a população, temos todo o cuidado em não comprometer ainda mais o atendimento prestado. Por essa razão, mesmo contando apenas com a palavra dos representantes da gestão municipal durante a reunião do dia 27, aprovamos coletivamente a prorrogação do dia estabelecido para início da paralisação de atividades: do 28 de março para o dia 17 de abril.

Realmente, como foi prometido, esperamos que esse tempo seja usado para resolver todos os problemas que denunciamos e foram tratados com a coordenação geral do SAMU. Dentro desse prazo, não queremos apenas uma "maquiagem" da situação grave do Serviço hoje, mas soluções definitivas para a nossa pauta de reivindicações! Nossa luta não é só salarial, mas pela garantia das condições para que o SAMU volte a ser um serviço de excelência. Por isso, contamos com o apoio de todas as pessoas que sabem a importância do SAMU para salvar vidas!"

Até o fechamento desta edição, nem a coordenação do SAMU e nem a Secretaria Municipal de Saúde se manifestaram sobre assunto. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 15 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/