Economia Solidária proporciona geração de renda na Bahia e em Sergipe

MunicípiosEm rede

Economia Solidária proporciona geração de renda na Bahia e em Sergipe

Apoio da Cáritas Nordeste 3 tem sido decisivo

Crédito: Allan Lusttosa

A Economia Popular Solidária (EPS) é uma das formas de emancipação social por meio de um trabalho justo, coletivo, solidário e pautado na sustentabilidade e nos cuidados com a preservação ambiental. A Cáritas Nordeste 3 tem atuado desde seu surgimento, há 34 anos, com a EPS buscando fortalecer grupos socioprodutivos de produtores, artesãos e artesãs como Maria Fátima Ferreira.

Ela pertence a um dos grupos que compõem a Rede Balaio de Solidariedade e possui um ateliê no povoado de Serrão, município de Ilha das Flores (SE), região do Baixo São Francisco e destaca o apoio da Cáritas. "No começo tinha dificuldade para comprar material de trabalho e não só confeccionar, mas também expor nossos artesanatos era difícil, então era um desafio mesmo a comercialização. Com a Cáritas aprendi a valorizar mais minhas peças e isso não significa aumentar o preço, mas fazer um trabalho de boa qualidade e cobrar o preço justo para facilitar o escoamento", avalia.

Já Valmirete Oliveira, integrante na Associação de Mulheres Baixagrandense, produz polpas de fruta junto a outras empreendedoras econômicas solidárias e conta como se deu seu processo de emancipação por meio da atividade. "A economia solidária tem contribuído muito pois através dela que conquistei minha independência com a participação no grupo Delícia da Fruta onde produzimos polpas naturais com o objetivo de aproveitar frutas dos nossos quintais e transformar em alimentos saudáveis e de boa qualidade para o consumo e comercialização gerando renda para todas nós", explica.

Rede Balaio de Solidariedade

Criada há 3 anos, em maio de 2019, a Rede Balaio de Solidariedade agrega mais de 50 empreendimentos econômicos solidários da Bahia e Sergipe e vem somando esforços na comercialização e aquisição de insumos, além de contribuir para o fortalecimento de mulheres que atuam em coletivo gerando renda para o sustento de suas famílias. A Rede possui lojas em Feira de Santana, Queimada Grande (distrito de Banzaê) e Rui Barbosa.

Para a Valmirete Oliveira, a Rede só vem somando com a EPS nos dois estados. "A Rede Balaio é uma estratégia para os empreendimentos, com mais oportunidades de negócios e geração de renda. Essa atuação em coletivo garante uma maior comercialização para que cada vez mais consigamos ampliar o escoamento e atrair mais empreendimentos para juntos fortalecermos a Rede", acrescenta.

O assessor regional e membro da colegiada na Cáritas Nordeste 3, Gerinaldo Lima, faz um resgate histórico e sinaliza boas expectativas para o futuro da Rede Balaio. "Em 1988, quando surge, o regional já faz esse caminho de ações com mulheres, juventudes e EPS na Bahia e Sergipe e a Rede Balaio tem trazido expectativas positivas para o futuro pois temos organizado os empreendimentos e fortalecido a coletividade com ações concretas nas regiões pastorais que sinalizam para o crescimento muito importante das sustentabilidades econômica, pastoral e ambiental dos empreendimentos", conclui.
 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 03 Julho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/