Pais devem ficar atentos aos sintomas da dengue em crianças

Saúde e Bem EstarAtenção

Pais devem ficar atentos aos sintomas da dengue em crianças

Elas fazem parte dos grupos mais suscetíveis a ter um agravamento da doença

Crédito: Breno Esaki/Agência Saúde DF
Febre acima de 38ºC que pode durar entre dois e sete dias, dor de cabeça ou atrás dos olhos, dores musculares, enjoo ou vômito, manchas e pontos vermelhos na pele. São alguns sintomas causados pela dengue e que servem como sinais de alerta, principalmente em crianças. Elas fazem parte dos grupos mais suscetíveis a ter um agravamento da doença.

Em Feira de Santana, 229 casos de dengue foram confirmados em crianças de um ano a adolescentes de 14 anos. O número representa 25% dos diagnósticos positivos contabilizados entre janeiro e março deste ano. Até o último dia 26 de março, 907 casos foram confirmados, sendo 176 com sinais de alarme, cinco graves e um óbito.

O médico pediatra, Ayalla Lima, ressalta que apenas 25% dos pacientes irão apresentar sintomas, que costumam aparecer entre o 3º e 14º dia após a picada do mosquito Aedes Aegypti. Além disso, os pequenos também podem ter sinais não característicos, a exemplo da diarreia, dor na área da barriga, rosto avermelhado, sonolência, irritabilidade ou dor de garganta.

"Desde o início dos sintomas deve ocorrer uma hidratação via oral, que pode ser feita com água e repouso. A criança deve ser levada ao pronto-socorro se a febre perdurar mais de 48h. Antes desse período, os pais podem levar se aparecer algum sinal de alarme ou gravidade", orientou o especialista.

Outros sinais considerados de alarme são dor abdominal intensa; a queda de pressão arterial ou tontura ao se levantar; o sangramento na gengiva, nariz, urina ou fezes; a falta de ar, vômitos, irritabilidade e sonolência.

"Já os sinais de gravidade, que indicam o pior estágio da doença, podem ser manifestados através de sangramentos intensos, respiração ou batimentos do coração acelerados, extremidades dos pés e mãos frias, pouca ou nenhuma urina e queda da pressão arterial", explicou.

De acordo com o pediatra, a prevenção continua sendo uma arma importante na luta contra a dengue. Ele considera que, apesar da eliminação dos focos e água parada ser um grande desafio, o uso de repelentes pode ser bastante útil para evitar a contaminação.

"Crianças de seis meses a um ano devem utilizar o repelente uma vez ao dia. Aquelas que têm acima de um ano até os 12 devem utilizar duas vezes ao dia. A partir de 12 anos, o repelente pode ser aplicado três vezes durante o dia", frisou.

Qual unidade de saúde procurar?

Durante a fase inicial da dengue, período em que aparecem os primeiros sintomas, os pais e responsáveis devem levar as crianças às unidades de saúde do bairro para serem avaliadas pela equipe do local e receberem as devidas orientações.

Nos casos em que a doença já apresenta sinais de alarme ou gravidade, os pais devem procurar de forma imediata as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e policlínicas municipais, em especial a UPA Queimadinha que dispõe de atendimento pediátrico para situações de urgência e emergência. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 15 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/