Influenciadoras que deram banana e macaco de pelúcia para crianças viram rés por injúria racial

TV e FamososRacismo

Influenciadoras que deram banana e macaco de pelúcia para crianças viram rés por injúria racial

Juíza da 1ª Vara Criminal aceitou denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro

Crédito: Reprodução

As influenciadoras Kérollen Cunha e Nancy Gonçalves viraram rés por injúria racial e agora são investigadas pelos vídeos postados nas redes sociais há oito meses. Nas imagens, mãe e filha dão banana e macaco de pelúcia para crianças negras.

A decisão saiu nesta terça-feira (30), quando a juíza Simone de Faria Ferraz, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de São Gonçalo, aceitou denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). Em novembro, a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio já tinha indiciado a dupla.

No inquérito que será aberto na Decradi, os investigadores vão apurar se Kérollen e Nancy praticaram crime de racismo ou injúria racial e se também infringiram algum crime do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

"As denunciadas estariam buscando promoção pessoal e social, através das suas ações filmadas e postadas no aplicativo 'Tik Tok', sendo gravíssimo o fato de que a internet consiste num ambiente que não oferece nenhum controle de exposição e transmissão e que atinge ou pode atingir a população do mundo inteiro", escreveu a magistrada no processo.

O caso veio à tona em maio com uma denúncia da advogada Fayda Belo, especialista em direito antidiscriminatório. Na ocasião, ela destacou que o vídeo apresenta o chamado "racismo recreativo", que ocorre quando alguém usa de "discriminação contra pessoas negras com intuito de diversão."

Rita Salim, delegada da Decredi e responsável pelo inquérito, afirma que a conduta da dupla foi considerada racismo, já que elas escolheram crianças negras e usaram dos artifícios de banana e macaco para presenteá-las. Segundo Salim, mãe e filha negaram que cometeram algum tipo de crime.

O vídeo foi apagado pelas influenciadoras de suas redes. Só no TikTok, o perfil das duas tem mais de 13 milhões de seguidores. Em nota, a dupla disse que não tinha intenção de discriminar e afirmou que "as publicações foram retiradas de contexto e interpretadas de maneira distorcida". A defesa de Kérollen e Nancy ainda não se pronunciou sobre a decisão da juíza Simone de Faria. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 20 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/