Justiça determina prisão preventiva de pai e filha acusados de agredir médica

BrasilAgressão

Justiça determina prisão preventiva de pai e filha acusados de agredir médica

Os dois são acusados de agredir a médica Sandra Lucia Bouyer Rodrigues, 53

FOTO:RECORD TV RIO

André Luiz do Nascimento Soares, 48, e a filha dele, Samara Kiffini do Nascimento Soares, 23, tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva em audiência realizada nesta terça-feira (18) na Central de Custódia de Benfica, no Rio de Janeiro.

Os dois são acusados de agredir a médica Sandra Lucia Bouyer Rodrigues, 53, na emergência do Hospital Municipal Francisco da Silva Telles, em Irajá, zona norte no Rio, na madrugada de domingo (16).

Segundo a polícia, eles quebraram portas, janelas e agrediram a única médica de plantão. Sandra recebeu cinco pontos na boca e tem hematomas e arranhões nos braços e pescoço.

Os dois foram presos em flagrante no fim de semana e agora ficarão detidos preventivamente enquanto respondem pelas acusações.

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, a decisão foi baseada na gravidade dos fatos. Enquanto as agressões aconteciam, Arlene Marques da Silva, 82, internada na sala vermelha (cuidados intensivos), sofreu uma parada cardiorrespiratória e morreu.

A filha de Arlene diz que a mãe começou a passar mal na cama quando viu o homem socando o rosto da médica. Ela estava no hospital havia duas semanas por conta de um infarto.

"Conforme se constatou, a paciente em questão estava sendo monitorada o tempo todo pela equipe médica de plantão, mas em razão das agressões e do tumulto generalizado causados pelos custodiados a paciente ficou sem acompanhamento médico, vindo a óbito", afirma a decisão judicial.

De acordo com o processo, no momento da agressão André estaria com a mão direita atrás da bermuda simulando estar com uma arma de fogo. Ainda de acordo com a investigação, Samara teria ameaçado "quebrar" a médica.

O pedido de conversão da prisão em flagrante em preventiva foi feita pelo Ministério Público. A defesa de pai e filha pediu o relaxamento da prisão em flagrante e a concessão de liberdade provisória aos dois.

A defesa dos dois, representada pelo advogado Cláudio Rodrigues, disse na segunda-feira (17) que tem convicção de que a responsabilidade pela morte de Arlene é do poder público e afirma que a imputação de homicídio é desproporcional e equivocada. O advogado não respondeu aos contatos nesta terça.

Cardiologista com experiência em terapia intensiva, Sandra atua há um ano e meio no hospital Silva Telles. Ela era a única médica para mais de 60 pacientes no plantão no domingo.

Também nesta terça, o Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro) recebeu a médica agredida para uma reunião. Ela falou sobre os ataques no hospital e defendeu que outros médicos denunciem atos violentos.

Sandra recebeu orientações e suporte da assessoria jurídica da autarquia. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quarta, 17 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/