PF prende major da PM que ensinou 'táticas de guerrilha' para radicais

BrasilOperação Lesa Pátria

PF prende major da PM que ensinou 'táticas de guerrilha' para radicais

Claudio Mendes dos Santos foi capturado em Riacho Fundo, no Distrito Federal 

Crédito: Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) abriu na manhã desta quinta-feira (23) a nona etapa da Operação Lesa Pátria para prender preventivamente um major da Polícia Militar do Distrito Federal da reserva suspeito de incitar os atos golpistas do dia 8 de janeiro e administrar recursos que financiaram ações antidemocráticas.

Claudio Mendes dos Santos foi capturado em Riacho Fundo, no Distrito Federal. De acordo com a Polícia Federal, ele teria ensinado táticas de guerrilha para os participantes do acampamento golpista montado em frente ao QG do Exército, em Brasília.

A corporação indicou que o PM é investigado por supostos crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido.

A Operação Lesa Pátria é "permanente", segundo a PF. A investigação mira executores, financiadores e incitadores dos atos que culminaram na invasão e depredação das dependências do Planalto, Supremo e Congresso.

Ao todo, 1.187 investigados já foram formalmente denunciados, perante ao Supremo Tribunal Federal, por ligação com a ofensiva antidemocrática do 8 de janeiro. Eles são acusados de crimes como associação criminosa armada; abolição violenta do Estado Democrático de Direito (golpe de Estado); dano qualificado contra o patrimônio da União; e deterioração de patrimônio tombado.

Outras fases da operação

A primeira fase da Operação Lesa Pátria, no dia 20 de janeiro, prendeu cinco suspeitos de participação, incitação e financiamento nos atos golpistas. Entre eles "Ramiro dos Caminhoneiros", Randolfo Antonio Dias, Renan Silva Sena e Soraia Baccio.

Na segunda etapa da força-tarefa, policiais prenderam, em Uberlândia (MG), o extremista Antônio Cláudio Alves Ferreira, filmado destruindo um relógio histórico no Palácio do Planalto.

A terceira fase da operação prendeu cinco pessoas, incluindo a idosa Maria de Fátima Mendonça, de 67 anos, que viralizou ao dizer em um vídeo que ia "pegar o Xandão". O sobrinho do ex-presidente Jair Bolsonaro, conhecido como Léo Índio, foi alvo de buscas na mesma etapa.

No dia 3 de fevereiro, a PF abriu a quarta fase ostensiva da investigação e prendeu o empresário conhecido como Márcio Furacão, que se filmou ao participar da invasão ao Palácio do Planalto, e o sargento da Polícia Militar William Ferreira da Silva, conhecido como "Homem do Tempo", que fez vídeos subindo a rampa do Congresso Nacional e dentro do STF.

A oitava etapa da ofensiva teve o maior número de mandados - ao todo, 32 investigados tiveram prisão decretada. A 8ª fase capturou golpistas como a mulher apontada como responsável por pichar a estátua da Justiça localizada em frente ao Supremo Tribunal com a frase "perdeu, Mané" e o homem que teria levado, da Câmara dos Deputados, a bola assinada pelo jogador Neymar. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 25 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/