Conab exige que vencedoras de leilão do arroz comprovem capacidade técnica e financeira

Economialeilão do arroz

Conab exige que vencedoras de leilão do arroz comprovem capacidade técnica e financeira

Das quatro companhias vencedoras, apenas uma é empresa do ramo 

Foto: Divulgação/Conab

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) convocou por meio de comunicado em seu site, as Bolsas de Mercadorias para que comprovem a capacidade técnica e financeira das empresas que arremataram as 263,7 mil toneladas de arroz importado, em leilão realizado na quinta-feira (6), pela companhia.

Após o leilão, opositores ao governo, sobretudo a ex-ministra da Agricultura Tereza Cristina, atualmente senadora pelo Partido Progressistas, por Mato Grosso do Sul, levantaram suspeitas sobre a participação de empresas desconhecidas do mercado e que arremataram alguns lotes.

Segundo nota da estatal, as empresas foram representadas pelas Bolsas de Mercadorias, e, diante das "dúvidas e repercussões" a partir do resultado do leilão, o presidente da Conab, Edegar Pretto, resolveu tomar a medida. "A transparência e a segurança jurídica são princípios inegociáveis e a Conab está atenta para garantir segurança jurídica e solidez nessa grande operação", afirmou Pretto, na nota.

Prestação de contas – Das quatro companhias vencedoras, apenas uma – a Zafira Trading – é uma empresa do ramo. Também arremataram o leilão uma fabricante de sorvetes, uma mercearia de bairro especializada em queijoe uma locadora de veículos.

Em sua conta no X (ex-Twitter), Tereza Cristina divulgou, inclusive, que pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) para que fiscalizasse o leilão que qualifica como "milionário" realizado pela Conab. A senadora comentou ainda que "nunca usou" recursos públicos para comprar arroz. O TCU foi acionado pelo partido Partido Novo para apurar e suspender o resultado do leilão.

Ainda na sexta-feira, 7, diante da polêmica em torno do leilão, a Conab divulgou um esclarecimento em seu site, dizendo que o formato do leilão do arroz importado "utiliza as Bolsas de Mercadorias como intermediárias". E prossegue: "Elas são previamente cadastradas e certificadas pela Companhia e se responsabilizam, sob as penas da lei, pelas propostas que apresentam em nome de seus clientes".

Segundo nota da Conab, as empresas foram representadas pelas Bolsas de Mercadorias, e, diante das 'dúvidas e repercussões' a partir do resultado do leilão, o presidente da Conab, Edegar Pretto (foto), resolveu tomar a medida. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 22 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/