Com ato em Feira, profissionais de saúde entram no 2º dia de paralisação

Municípiosparalisação

Com ato em Feira, profissionais de saúde entram no 2º dia de paralisação

Servidores de diversas cidades paralisaram as atividades e realizaram algum ato. 

Foto: Reprodução/ Bnews

O Sindsaúde-Ba deu início na manhã desta segunda-feira (13) a uma paralisação de 72h. O sindicato está mobilizado em frente à ALBA, contra o projeto de lei enviado pelo governador que propõe reajuste de 4%, dividido em duas parcelas, sem pagamento de retroativo a janeiro, data base do servidor.

No primeiro dia de paralisação, servidores de norte a sul da Bahia movimentaram as redes sociais. A presidente do sindicato, Ivanilda Brito, pontuou a importância da ALBA e seu significado, e que a mesma encontra-se fora dos trilhos.

'Essa casa, que deveria ser do povo, está sendo quintal do governador! A nossa assembleia deliberou 72h de paralisação, vamos mostrar nossa luta pela Bahia e revelar nossa força. Essa vergonha de proposta de 4%, reajuste salarial, não aceitamos. Fomos anjos e heróis contra a Covid-19, salvamos milhares de famílias e agora o que temos com o governo do povo? — Nada, nem um diálogo. Nós aposentados estamos sofrendo muito e, por isso, precisamos unir forças por toda a Bahia. Jerônimo pode estar viajando, mas vamos encher as redes sociais e mandar para toda a imprensa, cada um de nós, para chegar até o Governo Federal. Queremos respeito!', afirma.

Para a secretaria geral, Ana Carina Dunham, a mobilização precisa ainda mais de força.

'Estamos com indicativo de Greve, precisamos mobilizar a categoria através das ferramentas que tivermos. O gigante acordou e precisamos que todos, eu e vocês, façamos a mobilização nas nossas redes, ligando para os colegas e chamando-os para luta, na capital e no interior. A construção desse país passou por luta e é isso que estamos fazendo neste momento estamos lutando por nossos direitos'', diz.

Questionando a postura do governo, a vice-presidente Tereza Deiró reafirmou a importância da luta.

'Não aceitamos os 4%. Acordamos em caráter emergencial uma proposta de 10%, com retroativo. Não abriremos mão das nossas perdas que já são de 54,25% (segundo o Dieese). O Governo do Estado é culpado por estarmos adoecendo. É inaceitável, essa proposta imposta sem diálogo! Já fizemos nossa proposta! Temos uma pauta com 19 pontos. Abram a mesa de negociação e vamos conversar", pontuou Tereza Deiró.

Não foi apenas na capital que ocorreram as manifestações. Servidores de diversas cidades paralisaram as atividades e realizaram algum ato, a exemplo de Serrinha, Itaberaba, Alagoinhas, Jequié, Seabra, Itaberaba, Vitória da Conquista, Ilhéus e Itabuna.

Para esta terça-feira (14), segundo dia de paralisação de 72h, já estão confirmados atos em Serrinha, Itaberaba, Alagoinhas, Vitória da Conquista, Jequié, Ilhéus, Itabuna, Feira de Santana, Itapetinga, Itamaraju e Guanambi.

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/