Tebet não vê ingerência na Petrobras e diz que Lula quis ‘amigo ao lado’ ao indicar Mantega

PolíticaPetrobras

Tebet não vê ingerência na Petrobras e diz que Lula quis ‘amigo ao lado’ ao indicar Mantega

 "O presidente Lula não seria quem é se não tivesse a capacidade de reconhecer os amigos e querer os amigos do seu lado", disse a ministra

Waldemir Barreto/Agência Senado

 A ministra do Planejamento, Simone Tebet, defendeu o presidente Lula e disse não ver interferência do governo na Petrobras ao afirmar que ele exerceu o seu direito, quando tentou emplacar o ex-ministro Guido Mantega na Vale. As declarações da ministra foram dadas em entrevista ao canal de notícias CNN Brasil, que irá ao ar na íntegra neste sábado, 30, às 18h30. O Estadão teve acesso a parte do conteúdo.

"Não vejo (interferência na Petrobras). Converso regularmente com o presidente da Petrobras, porque somos da equipe econômica, e não vejo essa interferência na política de preços da Petrobras. Falou-se muito que a Petrobras perdeu R$ 50 bilhões, o que se recupera em 15 dias, mas ninguém viu que ela teve o segundo maior valor histórico da série dos últimos anos", disse Tebet. "Não tenho visto isso (interferência) e o exemplo é o segundo maior valor histórico que a empresa teve nos últimos anos."

À CNN, Tebet afirmou que Lula tentou contemplar o "parceiro", a quem é grato. A ministra disse que o episódio é parte da política. "A partir do momento que o presidente vê na figura do ex-ministro Mantega um parceiro e tenta com isso colocá-lo na economia, na política, ou seja ao seu lado, é um direito do presidente", disse Tebet.

E prossegue: "No caso, em se vendo que o estatuto das estatais não permite, o errado seria se o presidente insistisse. Percebeu-se que não podia, o presidente parou de insistir. Isso faz parte da política. O presidente Lula não seria o presidente Lula se não tivesse a capacidade de reconhecer os amigos e querer os amigos do seu lado. Guido Mantega foi um parceiro do presidente Lula, o presidente é grato a Guido Mantega por uma série de questões, e querer estar com Guido Mantega no processo político faz parte da personalidade do presidente Lula."

Defesa – A ministra afirmou ainda que não se sente incomodada com as investidas de Lula, uma vez que o presidente recua quando é confrontado com possíveis danos ao seu governo. "Vejo no presidente Lula um presidente pragmático. Ele tem as suas posições ideológicas e político-partidárias que são diferentes das minhas, mas quando ele percebe que ao tentar colocar o que pensa há uma reação, no mercado ou mesmo na classe política, que é negativa para o próprio governo, ele tem a capacidade de recuar", afirmou Tebet.

"Não me incomodo que um presidente que foi eleito pelo povo fale o que pensa e tente implantar o que pensa. Numa democracia, temos forças políticas que fazem o equilíbrio nessa balança", reforçou a ministra.

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 14 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/