Alimentos ultraprocessados, por que são mais baratos que os saudáveis?

Saúde e Bem EstarNutrição e Saúde Pública

Alimentos ultraprocessados, por que são mais baratos que os saudáveis?

Estudo revela alta nos preços de alimentos saudáveis e propõe solução tributária 

Crédito: Reprodução X (Twitter) - @RealScarzz

Em um cenário alarmante para a saúde pública brasileira, os alimentos ultraprocessados se tornaram significativamente mais baratos que os alimentos saudáveis, como os in natura e minimamente processados. Este fenômeno pode ser atribuído à capacidade das grandes empresas de alimentos de substituir ingredientes caros por alternativas mais baratas e de aproveitar benefícios fiscais. A situação tem levado especialistas a defenderem uma reforma tributária que sobretaxe esses produtos prejudiciais, enquanto isente os alimentos benéficos à saúde de impostos, incentivando o consumo de uma dieta mais equilibrada.

Os dados mostram que, enquanto os alimentos frescos compõem quase metade da dieta dos brasileiros, o consumo de ultraprocessados tem aumentado consistentemente. Em 2002-2003, esses produtos representavam 14,3% da alimentação doméstica, crescendo para 19,4% em 2017-2018. A tendência de queda nos preços dos ultraprocessados, em contraste com a alta dos alimentos saudáveis, reflete as práticas de produção e comercialização em larga escala, que favorecem os produtos menos nutritivos.

O impacto dessa tendência é devastador para a saúde da população. Alimentos ultraprocessados são ricos em açúcares, sódio, gorduras e aditivos químicos, mas pobres em nutrientes essenciais, como vitaminas e fibras. Estudos associam o consumo desses produtos a uma série de problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas, diabetes e câncer. A pandemia de Covid-19 exacerbou essa situação, elevando os preços dos alimentos saudáveis devido à redução da oferta e aumento da demanda.

A solução apontada pelos especialistas inclui a implementação de políticas públicas robustas, como a tributação seletiva sobre ultraprocessados. Experiências internacionais, como as políticas de tributação do tabaco, demonstram que aumentar impostos sobre produtos nocivos pode reduzir seu consumo significativamente. Assim, promover um sistema tributário que favoreça a saúde, a sustentabilidade e a justiça social é crucial para reverter a tendência atual e garantir que alimentos saudáveis sejam acessíveis a todos os brasileiros. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 18 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/