Clima frio favorece a disseminação de doenças respiratórias

Saúde e Bem EstarAlerta

Clima frio favorece a disseminação de doenças respiratórias

Especialista em fisioterapia respiratória dá dicas sobre como encarar o inverno

O inverno começa no próximo dia 21 de junho, mas as temperaturas baixas e o clima seco já chegaram trazendo incômodos como tosses, espirros e coriza. Isso porque o frio é o clima ideal para a disseminação dos vírus que afetam as vias respiratórias, causando infecções como rinite, bronquite, asma, bronquiolite, sinusite, pneumonia, otite, gripes e resfriados, merecendo maior atenção, principalmente por pessoas alérgicas.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), as alergias atingem 30% da população mundial e, segundo especialistas, até o final do século, pelo menos metade dos brasileiros irão sofrer de algum tipo de alergia. A fisioterapeuta Ana Fraga, especialista em fisioterapia respiratória, explica que o tempo seco e a baixa umidade relativa do ar são fatores que contribuem para o aumento das alergias respiratórias devido à alta concentração de poluentes na atmosfera, reduzindo os mecanismos de defesa do organismo, ocasionando o aparecimento de doenças respiratórias.

A docente do curso de Fisioterapia da Estácio, destaca que o ar frio também atua como irritante das vias aéreas, o que acaba ocasionando mais sintomas alérgicos, como a falta de ar e a coriza. Além disso, existe uma maior circulação de vírus como os da gripe e do resfriado, que influenciam diretamente no aumento de doenças do aparelho respiratório.

- Quando as vias respiratórias são atingidas por um ar mais seco e frio há uma piora do sistema respiratório, que reduz a produção de muco eliminado pelas glândulas das vias aéreas, na qual existem enzimas e anticorpos protetores. O transporte do muco das vias aéreas inferiores para as superiores fica comprometido devido ao frio e faz com que as doenças respiratórias se proliferem com maior facilidade, analisa a profissional.

Dicas simples para prevenção

Segundo a professora da Estácio, o que favorece a disseminação dessas doenças é o comportamento que as pessoas adotam no inverno, quando costumam ficar mais tempo em ambientes fechados, com pouca ventilação. A fisioterapeuta observa que atitudes simples podem fazer toda diferença para ajudar na prevenção contra vírus e bactérias que afetam as vias respiratórias, como por exemplo:

- manter o ambiente arejado;

- lavar as mãos com frequência;

- cobrir a face ao espirrar ou tossir;

- beber bastante líquido;

- controlar a umidade relativa do ar acima de 50%;

- fazer uso das vacinas existentes como prevenção;

- evitar o fumo;

- evitar o contato com pessoas gripadas e/ou resfriadas;

- evitar ambientes com muita poeira e/ou fumaça;

- evitar a respiração pela boca, pois o nariz necessita de fazer a função de filtrar e aquecer o ar – o correto é respirar pelo nariz e soltar o ar pela boca;

- edredons, cobertores, lençóis e afins devem ficar expostos ao sol sempre que possível;

- a alimentação deve ser a mais balanceada possível, como sopas e caldos ricos em legumes e verduras, lembrando sempre das frutas que devem possuir vitamina C;

- evitar ambientes com ar condicionado;

- utilização de soro fisiológico sempre que sentir as vias aéreas irritadas;

- prática de atividades físicas na água como natação ou hidroginástica, que auxiliam no fortalecimento do diafragma, aumentando a capacidade cardiorrespiratória;

- usar umidificador, caso necessário;

- dormir bem;

- realizar exercícios respiratórios.

Vale ressaltar, que a fisioterapia respiratória se faz necessária tanto na prevenção quanto na reabilitação das patologias acima citadas, entre outras. No mundo atual temos a ciência de que o cuidado antecipado (prevenção) com a saúde, evita uma série de patologias e, dessa forma, evita também tratamentos sérios e prolongados. Fazer fisioterapia ou atividade física diminui os riscos das patologias respiratórias e auxilia na melhora da qualidade de vida, diz a fisioterapeuta.

A conscientização de que as doenças crônicas precisam ser mais assistidas no inverno também se faz necessária, segundo a professora da Estácio, até mesmo para que esses pacientes comecem o controle antecipadamente e evitem passar por períodos de agudização da mesma.

O uso de máscaras ainda continua sendo de suma importância, principalmente em locais fechados ou com pouca ventilação, o que acaba acarretando a disseminação das doenças. Que saibamos não restringir as máscaras apenas para o COVID, que ainda está presente entre nós, mas que possamos aproveitá-las para nosso bem-estar, finaliza a especialista em fisioterapia respiratória. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 13 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/