Motorista de aplicativo acusa cliente por calúnia e difamação

SegurançaFeira de Santana

Motorista de aplicativo acusa cliente por calúnia e difamação

Caso correu no bairro SIM 

Crédito: Divulgação
O motorista de aplicativo, Edson Carvalho, compareceu na tarde de quinta-feira (30), na sede do Jornal Folhado Estado, afirmando que está sendo vítima de calúnia e difamação, por parte de uma cliente (passageira) e de outro motorista de aplicativo. Ele teria feito o serviço de transporte de passageiro, na tarde da última terça-feira (28), quando pegou essa cliente, na Avenida Canaã, no bairro Sim, com destino ao bairro Conceição, em Feira de Santana.

"Estava trabalhando e por volta das 17 horas, de terça-feira, aceitei uma corrida da Canãa, no bairro Sim, para a Rua Heitor Vilas Lobo, na Conceição. Cheguei na frente do trabalho dela, ela entrou, dei boa tarde, ela respondeu e seguimos viagem. Durante todo o trajeto não conversei com ela e ela também calada. Ao chegarmos próximo do ponto dela (residência), ela pediu que eu parasse na frente de um mercado, parei, ela desceu, pediu obrigada, eu agradeci, enquanto finalizava a corrida, observei que ela ficou conversando com um rapaz que saia do mercado com uma caixa nas mãos e após finalizar a corrida, segui viagem. No caminho, o telefone tocou, ao aceitar era mais uma corrida, fiz numa boa", contou Edson.

O motorista disse ainda que, ao finalizar a segunda corrida, aproximadamente 20 minutos depois, recebeu uma ligação de um colega, perguntando o que teria acontecido com a passageira que pegou no Sim. "Respondi, nada, o que houve aí, meu colega falou, pois é, estão colocando na rede social que você é estuprador e que tentou estuprar a passageira que pegou no Sim e deixou na Conceição".

"Eu falei que jamais faria isso, aí meu colega disse que colocaram na rede social foto e os dados do carro dizendo que teria tentado estuprar a suposta passageira e que inclusive tirei toda a roupa dentro do carro, mas ela conseguiu pular do carro antes e que umas pessoas que estavam no mercadinho correram atrás, mas que consegui fugir".

"Depois que meu colega falou isso, minutos depois, ele me passou um áudio, onde diz que é do marido dessa passageira, que é policial militar, fazendo ameaças contra mim. Falando coisas que fiz, sem cabimento algum. Primeiro, se eu tinha feito isso, porque que ela não registrou uma queixa no aplicativo, porque ela não acionou a Polícia Militar, porque ela não foi prestar uma queixa na delegacia, até o momento, ela só relatou na rede social?".

"Outra coisa que me chama atenção, foi a velocidade que essa calúnia correu, 20 minutos depois que deixei essa passageira, meu nome, minha foto que ela pegou no aplicativo e os dados do meu carro e divulgou. Agora, já registrei queixa na delegacia, já acionei a justiça, irei até o fim, mas essa senhora e quem divulgou meus dados na rede social vão pagar na justiça. Não estou saindo de casa com medo de alguém me pegar dizendo que sou estuprador, com medo também, do marido dela, que diz que é policial e me ameaçou, não estou trabalhando, minha esposa que está me ajudando para que esclareça esse boato. Tenho 4 anos que trabalho no aplicativo, já fiz mais de 12 mil corridas, nunca ninguém reclamou de nada, sempre tratei e trato todos os clientes muito bem". 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 20 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/