São Paulo tem quase 590 mil imóveis vazios, 18 vezes população de rua da cidade

BrasilMoradia

São Paulo tem quase 590 mil imóveis vazios, 18 vezes população de rua da cidade

A discrepância, segundo especialistas, expõe a falta de políticas públicas

Crédito: Diogo Moreira/Divulgação Governo de São Paulo

Com quase 32 mil pessoas em situação de rua, a cidade de São Paulo reúne 588.978 imóveis vazios, entre apartamentos e casas, conforme dados do Censo 2022 publicado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) na última quarta-feira (28).

A discrepância, segundo especialistas, expõe a falta de políticas públicas para que pessoas com renda mais baixa consigam adquirir um imóvel ou, então, pagar aluguel.

Ao todo, a cidade contabiliza 4.983.471 imóveis particulares de acordo com o Censo, 12% deles desocupados. O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), estima que o déficit habitacional, hoje, é de quase 400 mil imóveis.

Procurada nesta segunda (3), a gestão Nunes afirma que trabalha para reduzir o número de imóveis ociosos na cidade e para acolher a população de rua.

"A nossa falha como sociedade é não conseguir aproveitar esses imóveis, principalmente para política habitacional que contempla as pessoas de rendas baixa e baixíssima", afirma o arquiteto e urbanista Anderson Kazuo Nakano, professor do Instituto das Cidades da Unifesp.

Pelos dados do IBGE em 2010, a cidade reunia 290.317 unidades habitacionais sem qualquer morador. O número atual representa crescimento de 103%.

"O Censo também mostrou o deslocamento de parte da população para o interior", afirma a arquiteta Angélica Benatti Alvim, diretora da FAU Mackenzie.

"A prefeitura deveria fazer um mapeamento desses imóveis ociosos e aplicar o IPTU progressivo. Mas temos uma ausência de políticas de incentivo à ocupação desses imóveis principalmente a partir de locações sociais", completa Benatti Alvim.

O IPTU progressivo é um mecanismo utilizado pelas prefeituras para onerar os donos de imóveis vazios e inibir a especulação imobiliária em áreas com infraestrutura consolidada. O imposto prevê percentuais de reajuste a cada ano acumulado de ociosidade.

Segundo os especialistas, há vários fatores que justificam o volume de domicílios desabitados, mas o principal é a especulação imobiliária.

Também listam a degradação de algumas regiões, como o centro de São Paulo, e a migração de famílias com alto poder aquisitivo para apartamentos ou até mesmo cidades litorâneas e do interior. Nesse último caso, a tendência é que essas famílias preservem suas residências fechadas.

"É a retenção especulativa. Muitos prédios sendo adquiridos como investimentos e que acabam não sendo comercializados ou alugados. Outros motivos também como o envelhecimento do imóvel, disputa jurídica, massa falida", explica o professor.

Em paralelo ao abandono desses domicílios, São Paulo viveu nos últimos anos o crescimento da população em situação de rua. Dados do último levantamento municipal dessa fatia da população, encomendado pela gestão Nunes, apontam 31.884 sem-teto na capital -o número de imóveis vazios, portanto, supera em 18 vezes essa população.

O número dobrou se comparado com o levantamento de 2015, que registrou 15.905 pessoas vivendo nas ruas.

A mais recente contagem municipal, feita entre outubro e dezembro de 2021, ainda indica uma mudança do perfil daqueles que não têm um lar. O número de famílias que foram viver nas ruas quase dobrou durante a pandemia.

"São Paulo é uma cidade capitalista, onde o acesso à moradia é muito difícil. Quem não consegue pagar o aluguel vai para rua ou morar de favor com outras famílias em moradias precárias. Fatores que vão agravando o déficit habitacional", diz Nakano.

Outro ponto que chama a atenção no censo municipal da população de rua é que aumentou a quantidade de pessoas que preferem ocupar as ruas em vez dos abrigos. Em 2019, 52% da população abordada pelos pesquisadores preferia as calçadas aos centros de acolhimento, em 2021, esse percentual subiu para 60%.

"O pós-pandemia [de Covid] agravou muito [o déficit habitacional]. Em relação à inclusão social, não irá resolver somente com a locação social, mas com a promoção de albergues e de saúde pública", afirma Benatti Alvim.

Procurada para comentar, a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento, afirma que trabalha para reduzir o número de imóveis ociosos na cidade e inibir novas ocorrências.

"Até o momento, 1.852 imóveis foram notificados na cidade por descumprirem a Função Social da Propriedade. Desse total, 253 deram uso ao imóvel", afirma, citando a aplicação do Parcelamento Edificação e Utilização Compulsórios, prevista na Constituição.

"O objetivo do Município com esse instrumento é induzir os proprietários de imóveis ociosos a promoverem o adequado aproveitamento de seu lote, evitando a degradação do entorno. O ideal é que nenhum proprietário ingresse no IPTU Progressivo, mas sim dê uso ao seu imóvel", diz a pasta da gestão Nunes.

Além dessa medida, a prefeitura cita outras iniciativas para estimular a utilização de imóveis, como o Requalifica Centro, que transforma prédios antigos em edifícios habitacionais. "Já são quatro edifícios aprovados com obras iniciadas, outros 16 com projetos de retrofit em análise", afirma.

Sobre o déficit habitacional, a gestão afirma que tem ampliado o número de atendimentos e cita o programa Pode Entrar e a Parceria Público-Privada da Habitação Municipal.

A prefeitura diz ainda que possui "a maior rede socioassistencial da América Latina, com mais de 24 mil vagas de acolhimento para as pessoas em situação de rua". 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 20 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/