2023 tem 99% de chances de ser ano mais quente da história do planeta

Ciência e TecnologiaRecordes de temperaturas

2023 tem 99% de chances de ser ano mais quente da história do planeta

 A temperatura global em setembro ficou 1,44°C acima da média do século XX

Crédito: Reprodução

O forte calor do mês de setembro que registrou recordes de temperaturas, já mostra que 2023 será, quase certamente, o ano mais quente já registrado, afirmou nesta sexta-feira (13) uma agência americana. "Há uma probabilidade maior que 99% de que 2023 seja o ano mais quente já registrado", afirmou a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês).

"Setembro de 2023 foi o quarto mês consecutivo com temperaturas recorde", afirmou, por meio de nota, Sarah Kapnick, cientista-chefe da NOAA. A previsão fatídica ocorre semanas antes de líderes mundiais se reunirem em Dubai para a COP28, um encontro durante o qual vão abordar o futuro dos combustíveis fósseis, principais responsáveis pelo aquecimento global. Setembro foi o mês mais quente em 174 anos de registros globais, confirmou a NOAA. O Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus, da União Europeia, anunciou esse recorde no início de outubro.

A temperatura global em setembro ficou 1,44°C acima da média do século XX, segundo a agência americana. "Não só foi o mês de setembro mais quente já registrado, mas o mais atipicamente quente" nos registros da agência, acrescentou. "Para dizer de outra maneira, setembro de 2023 foi mais quente que a média de julho de 2001 a 2010."

O Copernicus também estimou que 2023 provavelmente seria o ano mais quente da história e avaliou que setembro foi quase 1,75°C mais quente que a média para o mês no período pré-industrial, de 1850 a 1900.

"Passamos pelo setembro mais incrível de todos os tempos do ponto de vista climático. É algo difícil de acreditar", disse na última semana o diretor da instituição, Carlo Buontempo, ao comentar o recorde. "A mudança climática não é algo que acontecerá daqui a dez anos. A mudança climática está aqui."

Pelo Acordo de Paris, o teto de aquecimento do planeta deveria ficar idealmente em 1,5°C acima dos níveis anteriores à Revolução Industrial. Esse limite é considerado essencial para evitar as consequências mais catastróficas da mudança climática, como o desaparecimento de países-ilha.

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 22 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/