Samba pra Rua convida Luedji Luna e Renato da Rocinha para pré-Carnaval

CarnavalSalvador

Samba pra Rua convida Luedji Luna e Renato da Rocinha para pré-Carnaval

Festa será nesta terça, 6, às 19 horas, no Comércio 

Crédito: Divulgação

Samba-duro, samba de roda, samba-afro, sambas nacionais clássicos e hits do axé raiz. O Samba pra Rua, roda de samba itinerante que tem tomado conta das ruas de Salvador, tem tudo isso e muito mais: uma feijoada com DNA baiano, feita com feijão mulatinho e o irresistível tempero de lá, é outro atrativo do evento, que tem trazido visibilidade a lugares abandonados da cidade. "Ocupar as ruas é, de alguma forma, também salvar vidas e trazer alento à juventude negra, refém da rotina de violência da cidade", observa a professora e compositora Ana Flauzina, idealizadora do projeto. "O samba é a língua franca da população negra do Brasil", continua.

Em tempos de rodas de samba cada vez mais elitizadas – algumas com público majoritariamente branco, o Samba pra Rua tem chamado a atenção pelo DNA 100% baiano, por apresentar músicos da nova geração e dar destaque às mulheres negras da capital soteropolitana. "O objetivo é resgatar e fomentar as cenas locais do samba na cidade", diz Ana.

A feijoada ­– que tanto combina com samba, no Rio, em Salvador e em São Paulo –, é preparada pela cozinheira Marina (o feijão que não é consumido, no fim do evento, é distribuído para pessoas em situação de rua), fã declarada do bloco Ilê Aiyê. Tem mulher na feijoada, mas também na carta de drinques: no Samba pra Rua eles são preparados por uma barwoman. O evento, que a cada edição recebe convidados especiais, já contou com a participação de nomes como Mestre Rufino, ícone do samba brasileiro. A ideia de reavivar a cultura das rodas de samba na cidade, com ingressos a preços acessíveis, tem dado tão certo, que o evento, nascido em maio de 2022 já está entrando no calendário cultural de Salvador com suas rodas de samba mensais, cheias de charme, negritude e ancestralidade.

Anfitrião da festa, o grupo Samba pra Rua apresenta repertório que vai do samba carioca ao samba do Recôncavo baiano, passando pelo samba duro e batuques dos blocos afros. Não faltam também canções de sambistas consagrados como Zeca Pagodinho, Dona Ione Lara, Péricles, Olodum, Leci Brandão e Xandy de Pilares, além de canções autorais do grupo. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 15 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/