Justiça de Nova York multa Donald Trump em R$ 1,76 bilhão por fraude fiscal

InternacionalEx-presiente dos EUA

Justiça de Nova York multa Donald Trump em R$ 1,76 bilhão por fraude fiscal

Ex-presidente também está proibido de administrar negócios por um período de três anos

Crédito: Reprodução

De acordo com uma reportagem do Estadão, a Justiça de Nova York aplicou nesta sexta-feira (16), uma multa ao ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump de quase US$ 355 milhões (equivalente a cerca de R$ 1,76 bilhão) e o proibiu de administrar seus negócios por três anos, de acordo com a sentença. "O Tribunal proíbe Donald Trump […] de atuar como funcionário ou diretor de qualquer corporação de Nova York ou outra entidade legal em Nova York por um período de três anos," escreveu o juiz Arthur Engoron em sua decisão, ordenando que o magnata republicano pague uma multa de US$ 354.868.768.

O Estadão aponta que Trump, que construiu sua reputação como um titã do setor imobiliário, também foi proibido de atuar como diretor ou executivo de qualquer corporação de Nova York por três anos. No entanto, o juiz recuou de uma decisão anterior que teria dissolvido as empresas do ex-presidente. Os advogados de Trump prometeram recorrer. A advogada Alina Habba chamou o veredicto de "injustiça flagrante" e "o culminar de uma caça às bruxas politicamente motivada de vários anos". Ela e o advogado de Trump, Christopher Kise, afirmaram que o veredicto, se mantido, prejudicaria o ambiente empresarial.

Ainda segundo a reportagem, o juiz Arthur Engoron emitiu sua decisão após um julgamento de 2 meses e meio que viu o pré-candidato presidencial republicano se irritar sob juramento, alegando ser vítima de um sistema legal manipulado. Trump e suas empresas foram ordenados a pagar US$ 355 milhões. Seus filhos mais velhos, os vice-presidentes executivos da Trump Organization, Donald Trump Jr. e Eric Trump, cada um foi ordenado a pagar US$ 4 milhões. O ex-diretor financeiro Allen Weisselberg foi ordenado a pagar US$ 1 milhão.

O Estadão acrescenta que Engoron concluiu que Trump e seus co-réus "não aceitaram a responsabilidade" por suas ações e que testemunhas especializadas que depuseram a favor da defesa "simplesmente negaram a realidade". O juiz chamou a fraude civil no cerne do julgamento de um "pecado venial, não um pecado mortal".

"Eles não assaltaram um banco à mão armada. Donald Trump não é Bernard Madoff. Ainda assim, os réus são incapazes de admitir o erro de seus caminhos", escreveu Engoron, um democrata. Ele disse que a "completa falta de contrição e remorso" deles beira o patológico. "As fraudes encontradas aqui saltam da página e chocam a consciência", acrescentou o juiz.

A penalidade severa foi uma vitória para a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, uma democrata, que processou Trump por não apenas uma simples jactância, mas anos de práticas enganosas enquanto ele construía a coleção multinacional de arranha-céus, campos de golfe e outras propriedades que o catapultaram para a riqueza, fama e a Casa Branca, acrescenta o Estadão.

O Estadão destaca ainda que os advogados de Trump já haviam dito antes do veredicto que iriam recorrer. James processou Trump em 2022 sob uma lei estadual que autoriza a investigação de fraudes persistentes em negócios. O processo acusava Trump e seus co-réus de inflar rotineiramente suas demonstrações financeiras para criar uma ilusão de que suas propriedades eram mais valiosas do que realmente eram. Advogados estaduais disseram que Trump exagerou sua riqueza em até US$ 3,6 bilhões em um ano.

Veja também:

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 15 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/