Bahia tem segundo maior contingente do Brasil de lares sem banheiro

MunicípiosDados do IBGE

Bahia tem segundo maior contingente do Brasil de lares sem banheiro

São 182.478 pessoas vivendo nessas condições 

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Entre os Censos de 2010 e 2022, a proporção de pessoas morando em domicílios com esgotamento por rede geral ou pluvial ou fossa ligada à rede aumentou em 9 de cada 10 municípios baianos: em 368 ou 88,2% dos 417 existentes, segundo a pesquisa Características dos Domicílios do Questionário do Universo do Censo Demográfico 2022, divulgada nesta sexta-feira (23) pelo IBGE.

Os maiores avanços ocorreram em Luís Eduardo Magalhães (de 1,2% para 64,5% da população com acesso), Barreiras (de 15,3% para 75,4%) e Várzea Nova (de 4,5% para 60,4%). Por outro lado, 49 cidades tiveram redução na proporção de população em domicílios de alguma forma ligados à rede de esgoto, com os maiores recuos verificados em Itanagra (de 14,4% para 7,9%), Rodelas (de 77,5% para 71%) e Itapebi (de 5,1% para 1,7%).

Salvador também teve alta no acesso da população à rede de esgoto, de 90,4% em 2010 para 94,7% em 2022, chegando a 2,281 milhões de pessoas atendidas. O crescimento da cobertura levou o município a subir uma posição no ranking das capitais, passando do 5º para o 4º melhor indicador, atrás apenas de Vitória/ES (99,7% da população com rede de esgoto), Belo Horizonte/MG (97,0%) e Curitiba/PR (96,9%). Todas as capitais tiveram avanços entre 2010 e 2022.

Na Bahia, em 2022, os cinco municípios com maiores proporções da população em domicílios com rede de esgoto ou fossa ligada à rede eram Itapetinga (94,8%), Salvador (94,7%), Madre de Deus (92%), Itororó (86,9%) e Coaraci (86,2%). Novo Horizonte (0,1%), Bom Jesus da Serra (0,1%), Matina (0,1%), Acajutiba (0,2%) e Baianópolis (0,2%) tinham os menores.

Entre 2010 e 2022, na Bahia, a proporção de moradores em domicílios sem banheiro nem sanitário teve queda expressiva, de 8,6% para 1,3%. Mas ainda havia 182.478 pessoas vivendo nessas condições, o segundo maior contingente entre os estados, abaixo apenas do Maranhão (257.148 pessoas ou 3,8% da população).

No Brasil como um todo, essa proporção era metade da baiana (0,6% ou cerca de 1,2 milhão de pessoas). Já em Salvador, apenas 0,02% da população não tinha acesso a banheiro nem sanitário no domicílio (476 pessoas).

Esse indicador melhorou em todos os 417 municípios baianos, entre 2010 e 2022, com destaque para Nordestina (de 44,4% para 3,0% da população sem banheiro nem sanitário), Mirante (de 40,9% para 3,4%) e Anagé (de 38,9% para 3,5%).

Ainda assim era uma realidade para proporções expressivas das populações de algumas cidades, lideradas por Pilão Arcado (21,1% das pessoas sem banheiro nem sanitário no domicílio), Chorrochó (19,1%) e Pedro Alexandre (16,4%).

Veja também:

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 19 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/