PF investigará suspeita de superfaturamento em propagandas do governo federal

PolíticaPolícia Federal

PF investigará suspeita de superfaturamento em propagandas do governo federal

Parlamentares identificaram gastos milionários 

A Polícia Federal (PF) instaurou, nesta quarta-feira (29), um inquérito para investigar as denúncias de superfaturamento nos gastos do governo federal com propaganda. O ato resulta de representação feita pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) e pelo senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) ao Ministério Público Federal (MPF) em outubro do ano passado.

Os parlamentares identificaram gastos milionários para a produção de vídeos publicitários por produtoras contratadas pela Saúde e pela Secretaria Especial de Comunicação (Secom).

Na ocasião, os parlamentares encaminharam documentos que comprovam um gasto "abismal e inaceitável" com dois comerciais de 30 segundos sobre a Covid-19. Ao todo, o governo federal gastou R$ 4,5 milhões em propagandas sobre a pandemia da Covid-19.

Os recursos utilizados são da Medida Provisória 942/2020, que permitiu que a Presidência da República utilizasse créditos para campanhas de enfrentamento à pandemia. No entanto, foram usados para propagandas do governo.

O inquérito deve se voltar a contratações firmadas pelo governo com cinco produtoras de vídeo.

"As irregularidades vão desde a cobrança de serviços que não foram prestados, passam por altos salários e número elevado de profissionais, equipamentos pagos e que não foram utilizados e o pagamento de valores muito acima dos de mercado. É dinheiro público usado de forma indevida, enquanto o povo sofre para colocar comida na mesa. O correto seria que os responsáveis devolvessem os recursos para os cofres públicos", dizem os parlamentares.

Entre os casos levantados pelos parlamentares estão o caso de uma empresa que produziu dois vídeos de 30 segundos para a campanha do Ministério da Saúde e Secom referente à retomada das atividades econômicas no país, que custaram R$ 1,14 milhão aos cofres públicos.

Também chama a atenção a contratação de 115 profissionais técnicos (fora o elenco), que trabalharam na pré-produção, produção e edição.

Em nota fiscal de outra produtora, que produziu cinco vídeos de 30 segundos para a campanha de exaltação das medidas adotadas pelo governo federal durante a pandemia, a agência não realizou nenhuma filmagem, lançando na planilha de custos apenas os valores devidos às equipes de edição e o uso de Stock Shot: R$ 650 mil.

Sobre outra empresa, a apuração é que teria produzido três filmes de 30 segundos para o governo federal, custando pouco mais de R$ 1 milhão. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 20 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/