Após queda em aprovação, Lula reúne equipe para cobrar pautas positivas

PolíticaNesta segunda, 18

Após queda em aprovação, Lula reúne equipe para cobrar pautas positivas

Há a expectativa de tentar reverter a alta nos preços dos produtos básicos no país 

Crédito: Repropdução

A queda dos resultados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas pesquisas de opinião divulgadas este mês [março] provocou movimentações nem tanto agradáveis na cúpula de primeira hora do governo federal. Para tanto, uma reunião ministerial está maracada para esta segunda-feira (18), a primeira do ano, em que há a expectativa de tentar reverter a alta nos preços dos produtos básicos no país. Mas, também deve ser debatido estratégias de modificar o cenário político-partidário que pode reverberar nas eleições de 2024 e prejudicar a eleição de aliados do cacique petista em que apostam muito pré-candidatos.

Esta será a primeira reunião ministerial do ano, com a expectativa de ter todos os ministros juntos no Palácio do Planalto, conforme o Metropóles. O último encontro desse tipo ocorreu em dezembro, quando Lula deu orientações para os titulares das pastas seguirem em 2024.

No entanto, encontros que reúnem todos os ministros são raros, e em 2023 o presidente preferiu fazer conversas segmentadas em infraestrutura e social.

No que diz respeito à inflação, preocupação atual de primeira hora do presidente, desde a última segunda-feira (11), Lula tem feito agendas sobre o tema. Após reunião com o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, e o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto, o chefe do Executivo escreveu no X:

"Conversamos sobre o que pode ser feito para reduzir o preço de alguns produtos e alimentos, bem como ações para estimular a produção agrícola. Nosso compromisso é trabalhar para resolver os problemas reais do povo brasileiro".

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, previu diminuição no preço do arroz entre março e abril. Segundo ele, a expectativa é de redução de até 20%, proporcional à queda para os produtores.

O governo também tem feito acenos ao agronegócio na expectativa de se aproximar de empresários e impulsionar a produção agrícola. Na semana que vem, Lula deve convidar representantes do setor para um "churrasquinho" na Granja do Torto, onde fica a casa de campo da Presidência.

Além disso, o chefe do Executivo ampliou as viagens a estados onde a atividade predomina, como Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e Tocantins.

Em relação à comunicação, já há um indicativo de mudança de postura para tentar passar uma impressão mais positiva. Na última semana, usuários de redes social como o X (antigo Twitter) começaram a apontar diferenças nos vídeos publicados na conta oficial do presidente. As gravações, agora, adquiriram um tom mais informal e um contato direto com o presidente.

Uma postagem de terça-feira (12), mostra o chefe do Executivo saindo de um elevador no Palácio do Planalto e caminhando rumo ao seu gabinete, enquanto conversa diretamente com a câmera sobre o que seria anunciado mais tarde em evento.

Outro vídeo, do mesmo dia, trouxe Lula com o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, falando, novamente, de maneira direta para a câmera. O estilo anterior para posts desse teor era com fotos de reuniões e apenas texto escrito na postagem, sem uma declaração tão direcionada ao usuário.

Após a primeira semana de março, o governo federal implementou também o projeto Secom Volante, pensado para "apresentar e detalhar as políticas de comunicação do Governo Federal nos estados e municípios", com promessa de "passar pelas 27 capitais nos próximos meses", segundo anúncio da Presidência.

Nos dias 11 e 12 de março houve a estreia do programa, no qual o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação Social (Secom), percorre municípios com alguns outros titulares.

O primeiro local escolhido foi Belém (PA), onde Pimenta teve a companhia dos seguintes ministros: Juscelino Filho (Comunicações), Jader Filho (Cidades), Celso Sabino (Turismo), Marina Silva (Meio Ambiente) e Silvio Almeida (Direitos Humanos).

Porém, há a percepção de que as falas "polêmicas" de Lula sobre assuntos internacionais tiram espaço do trabalho sendo feito em solo nacional. Recentemente, o petista citou mais de uma vez o "genocídio" cometido por Israel na Faixa de Gaza, o que gerou repercussões na relação entre as nações.

A oposição também criticou as declarações do chefe do Executivo sobre as eleições na Venezuela, marcadas para julho. O presidente brasileiro orientou que não se questionasse o pleito antes dele, de fato, ocorrer.

No mesmo discurso, Lula lembrou de quando esteve impedido de disputar a Presidência em 2018: "Em vez de ficar chorando, indiquei outro candidato". A principal opositora do venezuelano Nicolás Maduro, María Corina Machado, questionou um suposto machismo por parte do petista.

"Eu chorando? Diz isso porque sou mulher? Não me conhece", ela escreveu no X (antigo Twitter), ao republicar a declaração de Lula. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 20 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/