Ataque de 8 de janeiro foi resultado de apagão geral, diz Ibaneis Rocha ao reassumir governo

PolíticaBrasília

Ataque de 8 de janeiro foi resultado de apagão geral, diz Ibaneis Rocha ao reassumir governo

Ele retornou ontem ao cargo após 64 dias afastados 

Crédito: Divulgação/Agência Brasília

Os atos golpistas de 8 de janeiro em Brasília foram o resultado de um "apagão geral", avaliou o governador do DF, Ibaneis Rocha, que retornou hoje ao cargo após 64 dias afastados.

"O apagão não foi de graça. Alguma coisa aconteceu para que tivesse", acrescentou após ser questionado sobre o assunto. "Foi um conjunto [de erros]. Tivemos falhas da Polícia Militar do DF, do batalhão do exército, tivemos diversas falhas em conjunto. Tenho certeza que isso a investigação vai apurar", disse.

Ibaneis disse ainda que foi aconselhado a não nomear o ex-ministro da Justiça Anderson Torres para a Secretaria de Segurança Pública do DF, mas apontou que na época, ele "era pessoa da minha inteira confiança e confiei de que as coisas iriam transcorrer na maior tranquilidade".

Torres foi secretário de Segurança Pública durante parte do primeiro mandato de Ibaneis a frente do DF e deixou o cargo para se tornar ministro da Justiça do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Ele está atualmente preso por conta da investigação que apura o que ocorreu em 8 de janeiro.

Uma operação de busca e apreensão na sua casa encontrou a minuta de um decreto que dava um golpe nas eleições do ano passado, na qual Bolsonaro perdeu para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PF), conforme revelou a Folha de S.Paulo.

Perguntado sobre a descoberta do documento, Ibaneis disse que não conseguia explicar e que isso cabia a Torres. "Aquele documento revela que na cabeça de alguém, não sei de quem, havia a intenção de dar um golpe no Brasil", pontuou.

O político do MDB foi afastado em 9 de janeiro pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes. A decisão inicial previa um afastamento de 90 dias, mas foi abreviada por decisão do ministro após ele concluir que não haveria riscos para as investigações com a sua volta ao cargo.

Ibaneis chegou no evento no qual foi reempossado no cargo na companhia do secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar, nomeado pela vice-governadora Celina Leão (PP) após o fim da intervenção federal na segurança pública do DF enquanto era governadora.

Pouco depois, Leão chegou e se postou ao lado de Ibaneis, que a elogiou. "Fiquei 64 dias afastados e última vez que tinha encontrado Celina foi no dia 9 [de janeiro] quando fui afastado. Ela governou essa cidade com a consciência que estava fazendo o melhor para o DF", disse.

No discurso, Ibaneis afirmou não guardar mágoas nem rancor por ter sido afastado e que Moraes fez o certo ao tomar a decisão.

"Afastamento foi necessário, vivemos momentos de muita dificuldade. A invasão dos prédios foi significativa para a história desse país. Eu tenho todo o respeito por todas as autoridades, por tudo que aconteceu. Recebi meu afastamento pelas mãos do Moraes com todo o respeito, paciência". 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 20 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/