Sigilos de Mauro Cid e Anderson Torres são quebrados pela CPI que investiga atos em 8 de janeiro

PolíticaInvestigação

Sigilos de Mauro Cid e Anderson Torres são quebrados pela CPI que investiga atos em 8 de janeiro

Cid era ajudante de ordens do ex-presidente, enquanto Torres foi secretário de Justiça

Crédito: Myke Sena/Câmara dos Deputados

Instalada em janeiro, a CPI dos Atos Golpistas, também conhecida como CPI de 8/1, aprovou a quebra dos sigilos do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro (PL), Mauro Cid, e do ex-secretário de Justiça do Distrito Federal, Anderson Torres.

A aprovação aconteceu nesta quinta-feira (3) a poucos dias de a comissão ouvir Anderson Torres, que exercia o cargo de secretário de Justiça do Distrito Federal na ocasião em que bolsonaristas radicais invadiram o Congresso, o Palácio do Planalto e a sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.

Preso de janeiro a maio, Torres é suspeito de omissão durante os ataques realizados na capital federal e será ouvido nesta terça-feira, 8. Mauro Cid, por sua vez, compareceu à CPI no dia 13 de julho, mas se manteve em silêncio.

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 22 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/