Depoimento de servidor à PF desmente conclusão do Exército sobre atos em 8 de janeiro

BrasilAtos em Brasília

Depoimento de servidor à PF desmente conclusão do Exército sobre atos em 8 de janeiro

Um inquérito policial militar aberto pelo Exército para investigar militares

Foto: Reprodução/Jornal GGN

Mais uma narrativa contradiz a conclusão de um inquérito militar que isentou as tropas do Exército de responsabilidade nos atos golpistas. O depoimento de um servidor da Polícia Federal que trabalhava no Planalto e presenciou a invasão do 8 de Janeiro desmente a conclusão de um dos inquéritos militares que isenta os militares de seus deveres no fatídico 8 de janeiro. 

O funcionário, conforme a coluna de Guilherme Amado, do Metrópoles, narrou diversos momentos em que soldados do Batalhão da Guarda Presidencial (BGP), do Exército, confraternizaram com os invasores e agiram pacificamente.

O depoimento foi dado à PF em 11 de janeiro, três dias após o Planalto ser depredado. O funcionário trabalhava na Secretaria Extraordinária de Segurança Presidencial, que foi desfeita após a função ser delegada ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI). No último domingo (30), a coluna mostrou que o servidor foi devolvido à PF.

Nesta segunda-feira (31), um inquérito policial militar aberto pelo Exército para investigar militares encarregados da segurança do Planalto apontou "indícios de responsabilidade" do GSI.

"Os militares estavam com equipamento antidistúrbio civil, mas não empregavam qualquer ação em face dos invasores. Alguns manifestantes estavam sentados em cadeiras, outros entravam e saíam do local [Planalto] tranquilamente, enquanto a tropa do BGP assistia a tudo pacificamente. Os manifestantes entravam e saíam do palácio, subiam e desciam os andares livremente", afirmou o funcionário, acrescentando:

"A segurança do Planalto estava desmobilizada naquele dia, não havendo comando ou preparo dos militares no local. Os militares com os escudos apenas ficavam parados e outros militares, fardados ou com coletes do GSI, circulavam pelo local, conversavam com os manifestantes".

Em outro trecho, o funcionário afirmou à Polícia Federal que ele mesmo ficou indignado com a passividade dos militares do Exército e passou a gritar para que os soldados tomassem alguma atitude contra os extremistas. Foi ignorado.

Esse relato é reforçado por diversos vídeos da invasão do Planalto. Em um deles, um comandante da Polícia Militar do DF deu 10 ordens em 40 segundos aos soldados do Exército. "Comanda a tua tropa, porra!", berrou para o chefe do batalhão militar, que permaneceu apático. 

 

Comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 15 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.jornalfolhadoestado.com/